Pular para o conteúdo principal

MÍDIA VENAL TENTA DEPRECIAR A MULHER SOLTEIRA


Que o Brasil é um país machista, isso é evidente.

Mas há um dado muito pouco falado desse machismo, que é a tentativa, bastante sutil, da mídia venal em desenvolver uma imagem depreciativa da mulher solteira.

Poucas páginas na Internet falam nisso, pouquíssimas. Mas o assunto deveria ser levado em conta.

Principalmente por causa de um estranho pacto do machismo com o mainstream do aparente feminismo que consegue se projetar na mídia.

Algumas páginas falam desse pacto. E descrevem esse estranho acordo do machismo com a mulher que deseja alguma emancipação.

É um feminismo que sempre é feito pela metade.

Se a mulher é obediente aos valores machistas, ela está dispensada de arrumar um homem, podendo ficar solteira à vontade.

Se a mulher, no entanto, quer escapar das obrigações do ideário machista, ela precisa estar vinculada, amorosamente, a um marido, geralmente poderoso. Um empresário ou profissional liberal, geralmente.

No primeiro caso, existem duas variações.

Se a mulher é, no âmbito popularesco, considerada "desejável", a missão dela é fazer o papel de objeto sexual, se oferecer como mercadoria para o recreio dos machistas carentes.

Se a mulher não apresenta tais "atrativos", pode fazer o estereótipo da "maria-coitada", da submissa fã de estilos como "pagode romântico", o repertório de Sullivan & Massadas e o pior de Roberto Carlos.

A "maria-coitada" é a antiga "escrava do lar" que simbolicamente foi "abandonada" pelo marido.

É o antigo estereótipo da mulher resignada, submissa, infantilizada e que adora brincar com crianças, mas que, desta vez, em vez de casada, vira uma solteirona irremediável. Tanto que o único "grande amor" da vida dela costuma ser geralmente seu afilhado que nem chegou à adolescência.

Mas o caso mais típico é a da mulher-objeto, que tem apelo ao grande público.

Até os midiotas e fascistas mirins as cortejam, embora prefiram olhá-las de longe e, feito amigos da onça, recomendá-las aos nerds (da linha Vingança dos Nerds).

Se os nerds dizem não a essas mulheres-objetos, os fascistas mirins os chamam de gays e os colocam na arena dos leões das vítimas de homofobia.

Vendo tais mulheres, elas têm os corpos siliconados e tatuagens desnecessárias e exageradas.

Com tanto silicone e plásticas, sobretudo botox, essas mulheres parecem bonecas infláveis.

Mostram demais seus corpos, embora escondam seus umbigos com piercing.

Algumas, mais "ambiciosas" e arrogantes, se autoproclamam "feministas", mas isso é estranho.

Afinal, é a briga entre a mulher-objeto e a escrava-do-lar que, a título de machismo, é o conflito entre seis e meia-dúzia.

Compare uma entrevista entre essas solteiras e as famosas casadas.

As "musas populares" que se tornam as mulheres-objetos falam sobre sexo, acham que seu erotismo é "atitude", e se irritam quando alguém lhes sugere a companhia de um homem.

Elas acham que seus glúteos e peitos siliconados são uma "arma" contra o machismo, o que é uma grande hipocrisia.

Até porque apenas demonstram misandria, e não auto-afirmação feminina. E desempenham papéis condicionados pelo próprio machismo que dizem "combater".

A famosa casada fala de tudo, e até a sensualidade é contextualizada. Diversifica assuntos e algumas delas podem até falar algumas bobagens, mas não se limitam à sensualidade compulsória.

Já a solteira "popular" só fala de sexo, sensualidade, corpo e relação com os homens. Refrões como "os homens tem medo de mim" e "quero um homem que me valorize como sou" são repetitivamente ditos.

Há até a desculpa da "liberdade do corpo" e do "direito à sensualidade", que seguem a mesma direção ideológica da "liberdade de imprensa" e "direito à expressão" dos calunistas da mídia venal.

E ainda esnobam quando aparecem de vez em quando com roupas "comportadas", num inverso de contexto das mulheres normais, que geralmente ficam comportadas e só se sensualizam conforme a necessidade da situação.

A mídia venal adora transformar o mercado das solteiras num circo de siliconadas que mostram o corpo como se fossem mercadoria em liquidação de loja.

Num contexto mais light, a solteira, não sendo a exibicionista corporal, é uma maníaca por festas noturnas.

Neste caso, ela fala de relações amorosas que se dissolvem com muita facilidade, mas dentro daquele padrão ideológico da curtição, da noitada, da praia, dos selfies no Instagram, das "filosofias" de frases curtas etc.

As ex-BBBs se enquadram nesse contexto, levando a curtição como um fim em si mesmo, sem terem o que dizer de relevante.

Enquanto na vida real há solteiras de todo tipo, na pregação midiática, há uma pressão para que, entre as solteiras, prevaleçam as que mais se inclinam para coisas fúteis, como sexo e noitadas.

Isso é muito ruim e é bastante depreciativo. Algo que nem aparentes alegações de "prazer à vida" podem justificar.

Porque a ideia não é a mulher ser sexy ou ir a uma casa noturna se divertir, mas levar isso como um único ideal de vida e como sua meta máxima, um meio de afirmação pessoal.

Isso se torna ruim porque, no Primeiro Mundo, estimula-se que as mulheres aproveitem a solteirice para ler livros, ouvir música de verdade, e, entre uma casa noturna e uma praia, frequentar também bibliotecas, salões de arte e outros ambientes.

Lá fora, a mulher solteira tem tanta liberdade para usar roupas mais sensuais do que roupas mais discretas.

Aqui, ela só tem a "liberdade" de usar roupas sensuais, levando à paródia e ao estereótipo o pretexto de "liberdade corporal".

A mulher que "mostra demais" achando que é "dona de seu nariz" não percebe que ela está seguindo o papel previamente determinado por executivos de TV e diretores de jornais, revistas e portais de famosos na Internet.

Esse é um machismo fantasiado de feminismo, que ofende as mulheres solteiras da vida real sob todos os aspectos.

As siliconadas desqualificam, numa só tacada, negras, gordinhas e mulheres fora do padrão estético dominante e que são faxineiras, empregadas domésticas, professoras, costureiras, cozinheiras.

É um preconceito social às avessas, pois muitas das trabalhadoras possuem seios e glúteos maiores, e são humilhadas quando eles são associados ao erotismo mais fútil.

Portanto, as mulheres que "mostram demais" e que são "mulheres-frutas", "musas do Brasileirão", "musas do UFC", "peladonas", "proibidas", "liberadas" e "preparadas" estão a serviço do machismo que dizem que "combatem".

E, pior: ridicularizam trabalhadoras, mulheres fora do padrão estético dominante e, principalmente, as solteiras.

Expõem uma ideia falsa de que mulher solteira no Brasil é uma vagabunda que só quer saber de sensualidade e curtição.

E, pelo apelo "popular", o endereço certo é promover o "controle de natalidade" empurrando as moças pobres ao celibato por conveniência.

Uma higienização social aos poucos, com as "musas populares" servindo de modelo de "afirmação feminina" nas chamadas "periferias".

E que também estabelece o ódio entre homens e mulheres que, da "guerra fria" das "boazudas" com o mundo masculino, hostilizando ex-namorados e ex-maridos, se reflete, nas favelas, roças e sertões, nos feminicídios que ocorrem nesses lugares.

Portanto, quando aparece, na mídia "popular", mas não menos venal que a mídia venal propriamente dita (até porque, em muitos casos, os veículos são dos mesmos donos), uma mulher que se comporta como objeto sexual, isso não é feminismo.

É machismo, racismo, elitismo. E também uma grave ofensa à mulher solteira e seu desejo de se emancipar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A GAFE MUNDIAL DE GUILHERME FIÚZA

Há praticamente dez anos morreu Bussunda, um dos mais talentosos humoristas do país.

Mas seu biógrafo, Guilherme Fiúza, passou a atrair as gargalhadas que antes eram dadas ao falecido membro do Casseta & Planeta.

Fiúza é membro-fundador do Instituto Millenium, junto com Pedro Bial, Rodrigo Constantino, Gustavo Franco e companhia.

Gustavo Franco, com sua pinta de falso nerd (a turma do "cervejão-ão-ão" iria adorar), é uma espécie de "padrinho" de Guilherme Fiúza.

O valente Fiúza foi namorado da socialite Narcisa Tamborindeguy, que foi mulher de um empresário do grupo Gerdau, Caco Gerdau Johannpeter.

Não por acaso, o grupo Gerdau patrocina o Instituto Millenium.

Guilherme Fiúza escreveu um texto na sua coluna da revista Época em que lançou uma tese debiloide.

A de que o New York Times é um jornal patrocinado pelo PT.

Nossa, que imaginação possuem os reaças da nossa mídia, que põem seus cérebros a serviço de seus umbigos!

Imagine, um jornal bastante conhecido nos…

OS DESLIZES DE RAIMUNDO FAGNER

Raimundo Fagner acabou sendo tragado pela tsunami comercial da grife Sullivan & Massadas.

E virou um dos nomes mais conservadores da música brasileira.

Deixou para trás o grande cantor cearense que chegou a fazer dueto com a digníssima e saudosa Mercedes Sosa.

Fez recentemente uma música em homenagem ao juiz midiático Sérgio Moro, cuja atuação tendenciosa e parcial deixa os mais renomados juristas brasileiros de cabelos em pé.

Fagner virou, como lembra o Diário do Centro do Mundo, o "Lobão da MPB".

Fagner e Lobão haviam sido artistas admiráveis e, realmente, possuem talento para fazer boas melodias e lançar boas obras.

Mas estão queimados pelo reacionarismo um tanto oportunista e cego.

E irresponsavelmente necrófilo.

Lobão certamente não usou Cazuza, seu antigo BFF, para as passeatas "coxinhas" que pediram a derrubada do governo Dilma Rousseff.

Cazuza - que provavelmente, sem ser petista, teria defendido a permanência de Dilma - foi usado pelos próprios organi…

"DO YOU WANNA DANCE" NÃO FOI UM CLÁSSICO DE JOHNNY RIVERS

BOBBY FREEMAN AUTOR E INTÉRPRETE ORIGINAL DE "DO YOU WANNA DANCE?" LANÇOU O COMPACTO EM 1958.

O Brasil provinciano ainda enche a bola de nomes pouco representativos, só porque eles tiveram mercado mais forte aqui do que nos EUA. E, entre tantas coisas que acontecem no chamado "pop adulto", tão risíveis quanto o de qualquer popinho adolescente, há uma que se relaciona à famosa canção "Do You Wanna Dance?".

A música é conhecida pelos brasileiros pela gravação do cantor Johnny Rivers, um ídolo superestimado no país, mas que na verdade corresponde a uma segunda e ainda menos expressiva geração de ídolos comportadinhos dos EUA, cuja primeira geração foi representada por Pat Boone e Bobby Darin.

Só que a gravação de Johnny Rivers, que está no imaginário saudosista de muitos brasileiros, nem sequer é de autoria do (aqui) famoso cantor, e nem sua gravação é a mais significativa. Portanto, nada desse papo de "À meia-luz, ao som de Johnny Rivers", da canç…

O PÉSSIMO EXEMPLO DE LETÍCIA SABATELLA

Dias atrás, a atriz Letícia Sabatella cometeu uma lamentável gafe que somente é "bom exemplo" para a "galera tudo de bom" (que na verdade é tudo de ruim) que povoa as mídias sociais, desde os golpistas de boate que se escondiam na comunidade "Eu Odeio Acordar Cedo" no Orkut.

Em estadia em Brasília para a temporada local da peça Trágica.3, Letícia foi se divertir com amigos na boate Taypa, na Zona Sul da cidade, e exagerou nas doses de vodca que bebeu. De tão animada, ela se embriagou tanto que ficou deitada no chão, na saída da boate, sem poder se levantar. Teve que ser ajudada por uma amiga para ficar em pé.


É o que a dita "galera tudo de bom" entende como "aventura irada" ou "maó curtição, brou". Letícia bebeu até cair, se animou na badalação e, com a cara cheia e a mente zonza, a gata caiu no chão e teve que ser ajudada para levantar.

Se ela se recompõe no dia seguinte (o que, com certeza, ocorreu), a "galera tudo de…

SODA STEREO E A PRECARIEDADE DA CULTURA ROCK NO BRASIL

SODA STEREO, EM 1984 - CHARLY ALBERTI (E), ZETA BOSIO E GUSTAVO CERATI.

A banda Soda Stereo, que marcou a história do rock argentino e era liderada pelo guitarrista Gustavo Cerati, falecido em 2014 após quatro anos em coma, tem uma boa lição para dar aos brasileiros.

O Soda Stereo teve uma trajetória ímpar nos anos 1980 e 1990 e era dotado de profunda bagagem de informações musicais.

O grupo foi do ska ao shoegazing - tendência do rock alternativo surgida na Inglaterra e subestimada pelos brasileiros - em composições bastante consistentes e vibrantes, sobretudo vindas do talento ágil e criador de Gustavo.

O Soda Stereo surpreende os brasileiros não porque as bandas contemporâneas careciam de informação musical.

Até tínhamos: Barão Vermelho, Titãs, Paralamas do Sucesso, Legião Urbana e mesmo Kid Abelha possuem uma boa bagagem musical.

Mas, entre nós, a banda que mais foi longe em bagagens musicais foi Legião Urbana, por garimpar mais em tendências alternativas, mas as demais fizeram su…

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

TV LINHAÇA - A MPB SEGUNDO O DOMINGÃO DO FAUSTÃO

Reduto da música popularesca, o Domingão do Faustão trata a Música Popular Brasileira autêntica, assim como outra manifestação cultural de qualidade, como se fosse algo excepcional, como se nossa cultura normalmente não tivesse valor e tudo que tiver relevância artístico-cultural é visto como algo alheio à realidade dos brasileiros.

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

TV LINHAÇA - PSDB ROMPE COM PAULO GUEDES, MAS NÃO COM ULTRALIBERALISMO

Reagindo a uma crítica do ministro da Economia do governo Jair Bolsonaro, Paulo Guedes, o PSDB, através de carta aberta divulgada pelo presidente do partido, Bruno Araújo, declarou rompimento do apoio ao tecnocrata, mas continua defendendo valores próprios do ultraliberalismo.

TV LINHAÇA - O BOLSONARISMO DE PAULA TOLLER

Paula Toller se soma a uma galeria de pessoas que apoiam ou potencialmente apoiariam (no caso de personalidades do passado) a campanha de Jair Bolsonaro em 2018. A revelação de seu processo contra o uso de "Pintura Íntima" - composta com o ex-namorado Leoni, hoje progressista - repercutiu nas redes sociais, com muitos internautas chocados ao saber que a bela cantora é bolsomínion.