Pular para o conteúdo principal

GRANDE MÍDIA SE MOSTRA CADA VEZ MAIS MESQUINHA


No Brasil temeroso, algo chama muito a atenção.

As elites tidas como "esclarecidas" e dotadas de "responsabilidade" estão cada vez se tornando mais mesquinhas ou, na melhor das hipóteses, confusas ou ingênuas.

São mesquinhas porque a grande mídia patronal que as influencia também se tornou mesquinha.

A realidade lhes escapa das mãos, mas elas ainda se consideram donas de uma visão que dizem ser "realista".

Pais de família que se orgulham em sentar na sala e ver o Jornal Nacional ou ver na Internet as mesmíssimas páginas da imprensa plutocrática, chegam a brigar com os filhos que contestam as visões absurdas trazidas pela mídia venal.

Esses pais veem sempre os mesmos comentaristas: Miriam Leitão, Merval Pereira, Gerson Camarotti, Renata Lo Prete, entre outros.

Mesmo não se considerando de direita, são tentados ainda a "ir adiante" quando aparece um Luiz Felipe Pondé, Rodrigo Constantino ou Leandro Narloch no meio do caminho.

Para não dizer uma Yoani Sanchez que surge de repente.

O discurso racional desses pais ou de outros cidadãos e cidadãs semelhantes mais parece um enfeite, um adorno para argumentações bem construídas que querem dizer, simplesmente...nada.

São os velhos argumentos de crescimento econômico, administração empresarial, ascensão profissional etc.

Interpretações um tanto mofadas e equivocadas do mundo desenvolvido.

Argumentos que não conseguem encontrar consistência quando a realidade que está fora da grande mídia se mostra.

Mas isso pouco importa.

As elites que se acham dotadas de "racionalidade" acham que Sérgio Moro está de acordo com a lei, a PEC 241 vai gerar empregos e renda, a privatização das universidades vai melhorar o ensino superior e o fim do monopólio da Petrobras vai valorizar as riquezas nacionais.

A compreensão da realidade está no lado da mídia esquerdista, chamada de "petista".

Nomes como Fábio Konder Comparato, Marilena Chauí, Jessé de Souza, Mino Carta, Luís Nassif e Eugênio Aragão são alguns que analisam profundamente a realidade brasileira.

Eles estão dando aulas grátis do que são as leis e o que é o trabalho da mídia ou da política, introduzindo os leitores a uma melhor compreensão desses temas.

Páginas como Carta Capital, Diário do Centro do Mundo, Carta Maior, Viomundo e Jornal GGN estão mostrando a realidade que a mídia quer esconder.

Uma realidade que os antigos portadores da "visão mais objetiva do Brasil e do mundo" se recusam a admitir.

São páginas que estão mais fazendo críticas ao PT, mas apontando os erros que o partido realmente cometeu, e não um vômito moral de um ódio gratuito e cego.

Não tem essa de comparar Lula a um gângster ou fantasiar Dilma Rousseff de gorila, como fazem os psicopatas do direitismo febril que se apoiam na Globo, na Veja, na Folha, no Estadão etc.

Esses são capazes de dizer até que Lula é dono das pirâmides do Egito e, por isso, deve ser condenado criminalmente.

E aceitam atuações contraditórias de gente como Sérgio Moro ou o pessoal do STF, assim como argumentos vagos e confusos de economistas.

Chegam a acreditar que a PEC do Teto, com seus cortes e congelamentos de gastos públicos, conforme a natureza da atividade, irão gerar renda, empregos e crescimento econômico.

Ou acreditam que os projetos ultraliberais irão transformar o Brasil num país de padrões escandinavos de desenvolvimento sócio-econômico e político.

Mas a mídia venal cada vez mais está impotente para mostrar a realidade.

Ela cria uma ficção, uma fantasia ultraliberal que é compartilhada pelo seu público.

Uma fantasia apoiada por um discurso de racionalidade que é bonito na forma, com palavras organizadas, argumentos persuasivos e até uma dose de teimosia para ficar com a última palavra.

Até essa pessoa movida à manipulação midiática conhecer a realidade fora dos filtros elitistas, ela sempre vai pensar que a plutocracia está sempre com a razão, por mais confusa e contraditória que seja.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…