Pular para o conteúdo principal

FIDEL CASTRO MORRE NO "ENTARDECER" DE UM ANO MELANCÓLICO


O falecimento do líder cubano Fidel Castro, aos 90 anos, praticamente encerra com melancolia o ano de retomada ultraconservadora na sociedade ocidental.

Um dos mais controversos líderes políticos dos anos 1960, Fidel havia realizado uma façanha quando um pequeno país derrubou uma ditadura, a de Fulgêncio Batista, para desenvolver um governo nacionalista de esquerda e desafiar a hegemonia dos EUA.

Os EUA tentaram derrubar Cuba com a invasão da Baía dos Porcos em 1961 e o projeto de guerra com mísseis em 1962.

Para complicar, John Kennedy, presidente que não se conformava com a adesão de um pequeno país centro-americano ao socialismo, foi misteriosamente assassinado em 1963.

Será que os EUA perderam a cabeça e foram patrocinar golpes militares pela América Latina?

Não, porque o plano já existia com Kennedy vivo. Neste caso, houve cabeças frias planejando tudo.

O golpe militar de 1964 no Brasil, por exemplo, já era ensaiado pelos três ministros militares de Jânio Quadros que estavam prontos até para bombardear o avião que levasse Jango para Brasília ou Porto Alegre.

Felizmente houve uma sabotagem e um avião não levantou voo.

Mas, três anos depois, o Brasil mergulhou em duas décadas de declínio político que derrubou o país até mesmo culturalmente.

Tanto que, quando recuperamos as políticas progressistas, não tivemos CPC da UNE nem a nova MPB dos festivais da canção.

Tivemos, sim, a blindagem em torno dos ídolos brega-popularescos que já eram apoiados pela mídia venal na ditadura militar.

Só porque carregavam o rótulo "popular", os bregalhões foram empurrados para as esquerdas como remédio amargo dado a criança travessa.

O golpismo foi muito duro e virou "escola" para o golpe recente no Brasil, só que outra roupagem, trocando a farda pela toga.

Vivemos o surto de retomada ultraconservadora, que reanimou pessoas retrógradas a despejar suas neuroses sociais diversas.

A vitória de Donald Trump nos EUA, da saída do Reino Unido da União Europeia, da ascensão de grupos fascistas como o Tea Party, do direitismo atingindo até a cultura rock, antes símbolo de rebeldia e ativismo, mostram o ano triste em que vivemos.

Nós, no Brasil, vendo o mandato de Dilma Rousseff ser facilmente ceifado, entendemos os rumos desse neoconservadorismo histérico.

A pressão das passeatas anti-PT nem era tão grande assim, e o pessoal saiu recebendo dinheiro do PSDB, DEM, PMDB, das empresas privadas em geral.

A cobertura da Globo exagerou e a grande imprensa restante engrossou o coro.

E o Poder Judiciário e o Ministério Público com seus deslizes legislativos imensos.

Um pesadelo sócio-político agravado pelo bitolamento de muitos jovens que nem parecem saber da gravidade do governo temeroso.

O que preocupa é a despreocupação de muitos com a gravidade do governo do presidente Michel Temer.

Veem os escândalos políticos como se fossem esquetes de programas humorísticos.

E esperam ver Henrique Meirelles vestido de Papai Noel dando a PEC do Teto de presente para os brasileiros, como se isso fosse coisa boa.

Diante disso, o falecimento de Fidel Castro apenas consolida esse "espírito do tempo".

As elites dominantes vivendo seus momentos de alegria e esplendor.

A democracia vivendo seu período de profunda tristeza, no "entardecer" de um ano melancólico.

O ano ainda não acabou. Mas o crepúsculo já aponta para tempos mais sombrios.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A GAFE MUNDIAL DE GUILHERME FIÚZA

Há praticamente dez anos morreu Bussunda, um dos mais talentosos humoristas do país.

Mas seu biógrafo, Guilherme Fiúza, passou a atrair as gargalhadas que antes eram dadas ao falecido membro do Casseta & Planeta.

Fiúza é membro-fundador do Instituto Millenium, junto com Pedro Bial, Rodrigo Constantino, Gustavo Franco e companhia.

Gustavo Franco, com sua pinta de falso nerd (a turma do "cervejão-ão-ão" iria adorar), é uma espécie de "padrinho" de Guilherme Fiúza.

O valente Fiúza foi namorado da socialite Narcisa Tamborindeguy, que foi mulher de um empresário do grupo Gerdau, Caco Gerdau Johannpeter.

Não por acaso, o grupo Gerdau patrocina o Instituto Millenium.

Guilherme Fiúza escreveu um texto na sua coluna da revista Época em que lançou uma tese debiloide.

A de que o New York Times é um jornal patrocinado pelo PT.

Nossa, que imaginação possuem os reaças da nossa mídia, que põem seus cérebros a serviço de seus umbigos!

Imagine, um jornal bastante conhecido nos…

OS DESLIZES DE RAIMUNDO FAGNER

Raimundo Fagner acabou sendo tragado pela tsunami comercial da grife Sullivan & Massadas.

E virou um dos nomes mais conservadores da música brasileira.

Deixou para trás o grande cantor cearense que chegou a fazer dueto com a digníssima e saudosa Mercedes Sosa.

Fez recentemente uma música em homenagem ao juiz midiático Sérgio Moro, cuja atuação tendenciosa e parcial deixa os mais renomados juristas brasileiros de cabelos em pé.

Fagner virou, como lembra o Diário do Centro do Mundo, o "Lobão da MPB".

Fagner e Lobão haviam sido artistas admiráveis e, realmente, possuem talento para fazer boas melodias e lançar boas obras.

Mas estão queimados pelo reacionarismo um tanto oportunista e cego.

E irresponsavelmente necrófilo.

Lobão certamente não usou Cazuza, seu antigo BFF, para as passeatas "coxinhas" que pediram a derrubada do governo Dilma Rousseff.

Cazuza - que provavelmente, sem ser petista, teria defendido a permanência de Dilma - foi usado pelos próprios organi…

"DO YOU WANNA DANCE" NÃO FOI UM CLÁSSICO DE JOHNNY RIVERS

BOBBY FREEMAN AUTOR E INTÉRPRETE ORIGINAL DE "DO YOU WANNA DANCE?" LANÇOU O COMPACTO EM 1958.

O Brasil provinciano ainda enche a bola de nomes pouco representativos, só porque eles tiveram mercado mais forte aqui do que nos EUA. E, entre tantas coisas que acontecem no chamado "pop adulto", tão risíveis quanto o de qualquer popinho adolescente, há uma que se relaciona à famosa canção "Do You Wanna Dance?".

A música é conhecida pelos brasileiros pela gravação do cantor Johnny Rivers, um ídolo superestimado no país, mas que na verdade corresponde a uma segunda e ainda menos expressiva geração de ídolos comportadinhos dos EUA, cuja primeira geração foi representada por Pat Boone e Bobby Darin.

Só que a gravação de Johnny Rivers, que está no imaginário saudosista de muitos brasileiros, nem sequer é de autoria do (aqui) famoso cantor, e nem sua gravação é a mais significativa. Portanto, nada desse papo de "À meia-luz, ao som de Johnny Rivers", da canç…

O PÉSSIMO EXEMPLO DE LETÍCIA SABATELLA

Dias atrás, a atriz Letícia Sabatella cometeu uma lamentável gafe que somente é "bom exemplo" para a "galera tudo de bom" (que na verdade é tudo de ruim) que povoa as mídias sociais, desde os golpistas de boate que se escondiam na comunidade "Eu Odeio Acordar Cedo" no Orkut.

Em estadia em Brasília para a temporada local da peça Trágica.3, Letícia foi se divertir com amigos na boate Taypa, na Zona Sul da cidade, e exagerou nas doses de vodca que bebeu. De tão animada, ela se embriagou tanto que ficou deitada no chão, na saída da boate, sem poder se levantar. Teve que ser ajudada por uma amiga para ficar em pé.


É o que a dita "galera tudo de bom" entende como "aventura irada" ou "maó curtição, brou". Letícia bebeu até cair, se animou na badalação e, com a cara cheia e a mente zonza, a gata caiu no chão e teve que ser ajudada para levantar.

Se ela se recompõe no dia seguinte (o que, com certeza, ocorreu), a "galera tudo de…

SODA STEREO E A PRECARIEDADE DA CULTURA ROCK NO BRASIL

SODA STEREO, EM 1984 - CHARLY ALBERTI (E), ZETA BOSIO E GUSTAVO CERATI.

A banda Soda Stereo, que marcou a história do rock argentino e era liderada pelo guitarrista Gustavo Cerati, falecido em 2014 após quatro anos em coma, tem uma boa lição para dar aos brasileiros.

O Soda Stereo teve uma trajetória ímpar nos anos 1980 e 1990 e era dotado de profunda bagagem de informações musicais.

O grupo foi do ska ao shoegazing - tendência do rock alternativo surgida na Inglaterra e subestimada pelos brasileiros - em composições bastante consistentes e vibrantes, sobretudo vindas do talento ágil e criador de Gustavo.

O Soda Stereo surpreende os brasileiros não porque as bandas contemporâneas careciam de informação musical.

Até tínhamos: Barão Vermelho, Titãs, Paralamas do Sucesso, Legião Urbana e mesmo Kid Abelha possuem uma boa bagagem musical.

Mas, entre nós, a banda que mais foi longe em bagagens musicais foi Legião Urbana, por garimpar mais em tendências alternativas, mas as demais fizeram su…

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

TV LINHAÇA - A MPB SEGUNDO O DOMINGÃO DO FAUSTÃO

Reduto da música popularesca, o Domingão do Faustão trata a Música Popular Brasileira autêntica, assim como outra manifestação cultural de qualidade, como se fosse algo excepcional, como se nossa cultura normalmente não tivesse valor e tudo que tiver relevância artístico-cultural é visto como algo alheio à realidade dos brasileiros.

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

TV LINHAÇA - PSDB ROMPE COM PAULO GUEDES, MAS NÃO COM ULTRALIBERALISMO

Reagindo a uma crítica do ministro da Economia do governo Jair Bolsonaro, Paulo Guedes, o PSDB, através de carta aberta divulgada pelo presidente do partido, Bruno Araújo, declarou rompimento do apoio ao tecnocrata, mas continua defendendo valores próprios do ultraliberalismo.

TV LINHAÇA - O BOLSONARISMO DE PAULA TOLLER

Paula Toller se soma a uma galeria de pessoas que apoiam ou potencialmente apoiariam (no caso de personalidades do passado) a campanha de Jair Bolsonaro em 2018. A revelação de seu processo contra o uso de "Pintura Íntima" - composta com o ex-namorado Leoni, hoje progressista - repercutiu nas redes sociais, com muitos internautas chocados ao saber que a bela cantora é bolsomínion.