Pular para o conteúdo principal

FIDEL CASTRO MORRE NO "ENTARDECER" DE UM ANO MELANCÓLICO


O falecimento do líder cubano Fidel Castro, aos 90 anos, praticamente encerra com melancolia o ano de retomada ultraconservadora na sociedade ocidental.

Um dos mais controversos líderes políticos dos anos 1960, Fidel havia realizado uma façanha quando um pequeno país derrubou uma ditadura, a de Fulgêncio Batista, para desenvolver um governo nacionalista de esquerda e desafiar a hegemonia dos EUA.

Os EUA tentaram derrubar Cuba com a invasão da Baía dos Porcos em 1961 e o projeto de guerra com mísseis em 1962.

Para complicar, John Kennedy, presidente que não se conformava com a adesão de um pequeno país centro-americano ao socialismo, foi misteriosamente assassinado em 1963.

Será que os EUA perderam a cabeça e foram patrocinar golpes militares pela América Latina?

Não, porque o plano já existia com Kennedy vivo. Neste caso, houve cabeças frias planejando tudo.

O golpe militar de 1964 no Brasil, por exemplo, já era ensaiado pelos três ministros militares de Jânio Quadros que estavam prontos até para bombardear o avião que levasse Jango para Brasília ou Porto Alegre.

Felizmente houve uma sabotagem e um avião não levantou voo.

Mas, três anos depois, o Brasil mergulhou em duas décadas de declínio político que derrubou o país até mesmo culturalmente.

Tanto que, quando recuperamos as políticas progressistas, não tivemos CPC da UNE nem a nova MPB dos festivais da canção.

Tivemos, sim, a blindagem em torno dos ídolos brega-popularescos que já eram apoiados pela mídia venal na ditadura militar.

Só porque carregavam o rótulo "popular", os bregalhões foram empurrados para as esquerdas como remédio amargo dado a criança travessa.

O golpismo foi muito duro e virou "escola" para o golpe recente no Brasil, só que outra roupagem, trocando a farda pela toga.

Vivemos o surto de retomada ultraconservadora, que reanimou pessoas retrógradas a despejar suas neuroses sociais diversas.

A vitória de Donald Trump nos EUA, da saída do Reino Unido da União Europeia, da ascensão de grupos fascistas como o Tea Party, do direitismo atingindo até a cultura rock, antes símbolo de rebeldia e ativismo, mostram o ano triste em que vivemos.

Nós, no Brasil, vendo o mandato de Dilma Rousseff ser facilmente ceifado, entendemos os rumos desse neoconservadorismo histérico.

A pressão das passeatas anti-PT nem era tão grande assim, e o pessoal saiu recebendo dinheiro do PSDB, DEM, PMDB, das empresas privadas em geral.

A cobertura da Globo exagerou e a grande imprensa restante engrossou o coro.

E o Poder Judiciário e o Ministério Público com seus deslizes legislativos imensos.

Um pesadelo sócio-político agravado pelo bitolamento de muitos jovens que nem parecem saber da gravidade do governo temeroso.

O que preocupa é a despreocupação de muitos com a gravidade do governo do presidente Michel Temer.

Veem os escândalos políticos como se fossem esquetes de programas humorísticos.

E esperam ver Henrique Meirelles vestido de Papai Noel dando a PEC do Teto de presente para os brasileiros, como se isso fosse coisa boa.

Diante disso, o falecimento de Fidel Castro apenas consolida esse "espírito do tempo".

As elites dominantes vivendo seus momentos de alegria e esplendor.

A democracia vivendo seu período de profunda tristeza, no "entardecer" de um ano melancólico.

O ano ainda não acabou. Mas o crepúsculo já aponta para tempos mais sombrios.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…