Pular para o conteúdo principal

EBC PRETENDE RETRANSMITIR CONTEÚDO DA GLOBO


O jornal O Estado de São Paulo publicou uma pequena nota dizendo que a Empresa Brasileira de Comunicação (EBC) vai voltar a retransmitir conteúdo da Globo.

Provavelmente será um conteúdo produzido não só pela Rede Globo, mas também por canais como Globo News e Futura, este um canal educativo transmitido pela TV paga.

Segundo o presidente da EBC, Laerte Rimoli, a decisão se deu para "economizar custos", já que a programação é "mais barata e de boa qualidade".

Ligado à Globo e ao ex-deputado Eduardo Cunha, Rimoli esteve no Rio de Janeiro se reunindo com representantes das Organizações Globo.

Rimoli chegou a ter cancelada duas vezes sua ida para a EBC, quando o antigo titular, Ricardo Melo, teve cancelada a sua saída da presidência da instituição.

Com a efetivação do governo Temer, houve um desmonte dos antigos quadros profissionais da EBC, substituídos por gente alinhada com o atual governo.

A EBC, que inclui os canais NBR e a carioca TV Brasil, além da Agência Brasil e da Rádio MEC, foi fundado em 2007 durante o governo Lula para estabelecer um contraponto público à televisão privada e comercial.

A EBC se destinava não a ser uma empresa de comunicação estatal, mas voltada aos interesses públicos, tendo um Conselho Curador formado por diversos segmentos da sociedade.

Mas esse Conselho Curador foi extinto e a última chance de Ricardo permanecer no cargo foi eliminada.

Com a "nova" orientação, a EBC se adequará às demandas comerciais, sendo uma TV estatal com mentalidade de emissora comercial comum, colocando a causa educativa dentro de seus limites mercantis.

Isso quer dizer que a emissora transmitirá conteúdo político e educativo dentro das perspectivas do mercado, apreciando o interesse público apenas quando isso estiver de acordo com os interesses do empresariado.

Negros, índios, jovens, populações regionais só serão contempladas dentro desses limites, como se observa na Globo News e no Futura.

A atual fase da EBC faz parte do esquema de favorecimento que Michel Temer fez para a grande mídia patronal, criando uma "limpeza ideológica" ao expulsar antigos profissionais de mentalidade progressista.

Teresa Cruvinel, primeira presidenta da EBC, e outros profissionais como Emir Sader, Luís Nassif, Sidney Rezende, Paulo Markun, Paulo Moreira Leite, a exemplo de Ricardo Melo, tiveram contratos rescindidos.

A gestão de Rimoli fez isso sob o pretexto de "desaparelhar" a EBC, mas "aparelhou" com gente mais afinada com o governo temeroso.

É provável que as empresas da EBC continuarão produzindo conteúdo, mas com a parceria com as Organizações Globo o trabalho será reduzido, não bastasse a orientação se voltar para os interesses comerciais.

Com isso, a qualidade dos programas só será mantida quando ela não interferir nos interesses do mercado, como já se observava nos programas que o hoje falecido Fernando Faro fazia na TV Cultura, atualmente "aparelhada" por profissionais solidários ao PSDB paulista.

No entanto, haverá uma diferença para pior nos veículos da EBC, a ponto da TV Brasil agora ser apelidada de "TV Temer".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…