Pular para o conteúdo principal

CLÁUDIO JÚLIO TOGNOLLI OU COMO SER JORNALISTA POLÊMICO EM SÃO PAULO


A notícia da saída de Cláudio Júlio Tognolli da Jovem Pan, poleiro de jornalistas tucanizados e reaças de carteirinha, é mais um episódio da aventura que é ser jornalista polêmico em São Paulo.

A cada temporada surgia um jornalista, geralmente cultural, mas depois afeito a comentários políticos, que causava escândalos e controversas na opinião pública.

Era uma espécie de aventureiro do texto que buscava visibilidade escrevendo textos para desagradar as pessoas ou causar algum tipo de escândalo.

É um fenômeno que tem pouco menos de 35 anos.

Começou com Pepe Escobar, jornalista cultural da Folha de São Paulo, que foi uma espécie de David Nasser do pop, afeito a escrever bons textos que ocultavam fraudes jornalísticas.

Segundo Ricardo Alexandre, em Dias de Luta, Escobar era acusado por um musico do Voluntários da Pátria de ter pedido para este comentar bandas de rock para o jornalista "montar" uma resenha.

Pepe Escobar causou muito escândalo com seus textos um tanto sensacionalistas. Deu um sumiço e se arrependeu profundamente do que fez.

No exterior, ele mudou completamente e virou um dos melhores analistas da política internacional, nos últimos 15 anos.

Tornou-se um especialista em assuntos do Oriente Médio, fazendo boas reportagens sobre o 11 de Setembro, a Primavera Árabe e, recentemente, os bastidores da cobiça imperialista às nossas reservas de pré-sal.

Depois de Pepe Escobar, que havia sido o jornalista provocativo pré-Bizz - na verdade, seu auge foi ainda nos primórdios da revista - , veio André Forastieri.

Ele tornou-se chefe de redação da revista Bizz e encerrou o bom ciclo da revista musical da Abril, entre 1985 e 1990.

Esse ciclo foi extinto sob a desculpa de que os jornalistas, vários deles envolvidos com música, escreviam para o próprio umbigo, falando de bandas que o grande público desconhecia.

Forastieri passou a fazer um anti-jornalismo, com uma postura niilista, na qual havia a covardia de classificar o disco Meat is Murder dos Smiths como o pior disco de todos os tempos.

Era a época em que uma mera sátira de jovens delinquentes, o seriado Beavis and Butthead, era vista equivocadamente pela mídia brasileira como se fosse uma "consultoria de rock'n'roll".

A decadência da Bizz nos anos 90, depois fragmentada no pseudo-zine General, revista fundada por Forastieri quando fundou uma editora dedicada a HQs,

O maior pecado de Forastieri foi reduzir a cultura rock ao pragmatismo quase indigente dos anos 90.

Aquela coisa: entre o hit-parade e a rebeldia mais simplória, mesmo que seja apenas para fazer barulho e contar piadas.

Depois de tanto mau gosto e de reduzir a cultura rock brasileira a uma bobagem infantiloide, Forastieri se concentrou nos quadrinhos e virou colunista de Caros Amigos.

Caros Amigos ainda procurava algum intelectual cultural de esquerda, espécie ainda difícil de ser encontrada no panteão da visibilidade fácil.

Forastieri até virou um esforçado analista de temas políticos e midiáticos, às vezes acertando em alguns textos.

Hoje permanece nessa linha, meio morna mas correta.

E aí veio Pedro Alexandre Sanches, o esforçado jornalista da Folha de São Paulo, que aprendeu direito as lições de Otávio Frias Filho e seu Projeto Folha.

A ideia é criar um jornalismo enxuto, aparentemente objetivo e profissionalmente correto, mas com uma linha editorial voltada a uma mentalidade neoliberal.

Tavinho Frias havia tirado o que havia de jornalista de esquerda, conforme havia descrito José Arbex Jr. no livro Showrnalismo - A Mídia Como Espetáculo.

Sanches passou a defender a bregalização cultural, adotando um discurso pretensamente tropicalista, como se o comercialismo musical dos bregas fosse algum movimento libertário. Só que não.

Era o que eu defini como "ditabranda do mau gosto", combinando o jargão "ditabranda" lançado pela Folha com a supremacia do "mau gosto popular" que a intelectualidade festiva lançava na época, por volta de 2005.

Era a ascensão da intelectualidade "bacana", que ainda estava "no armário" na Era FHC, enfiando ideias do próprio Fernando Henrique Cardoso (Teoria da Dependência) na música brasileira.

A ideia é investir na defesa de uma música "popular demais" meramente comercial, mercantilista mas que valesse pelas "polêmicas" que causava com sua mediocridade e com a visão caricatural do povo pobre.

Juntando a Teoria da Dependência de FHC com o "fim da História" de Francis Fukuyama, Pedro Sanches decretou que a história da MPB acabou e que a ideia é investir no que ele definia de "cultura transbrasileira".

Vendeu a ideia primeiro para a Folha, depois para Estadão e revista Época. Até que, ainda na crise do governo FHC, com a tragédia da Plataforma P-36, da Petrobras, e a crise da energia elétrica (apagão), em 2001, a intelligentzia se preparava para se infiltrar no esquerdismo.

A ideia é evitar o papelão da ditadura militar, que deixou que uma "frente ampla" da MPB, com a reconciliação de cepecistas e bossanovistas, transmitir cultura musical de qualidade.

Ou de surgir, no âmbito comportamental, figuras como Leila Diniz ou a turma de O Pasquim.

A intelectualidade "bacana" então decidiu exaltar as mais canhestras expressões musicais, sob a desculpa do "combate ao preconceito".

Monopolizando a visibilidade, não tiveram um contraponto à altura que pudesse neutralizar essa visão de valor bastante duvidoso.

Pior: vendendo a ideia primeiro na mídia venal, sobretudo Rede Globo e Folha de São Paulo, foram também vender na mídia esquerdista.

E aí Pedro Alexandre Sanches foi passear pelas redações esquerdistas, na Carta Capital, Caros Amigos e revista Fórum transmitindo pontos de vista próprios da Folha e da Globo.

Era estranho: os intérpretes "populares demais" que Sanches resenhava, num espaço de cinco meses, virava queridinho da Globo, da Folha e até de Veja e Caras.

Sanches passou quase toda a Era PT querendo ser "o intelectual cultural de esquerda" com suas visões neoliberais, sonhando com um pop comercial brasileiro pretensamente "provocativo".

Ultimamente parece querer desembarcar dessa postura, depois de ter se "queimado" esculhambando Chico Buarque e estimulando um parceiro seu no Farofafá a ridicularizar Vladimir Safatle.

E aí, aos poucos, o Farofafá passa a dar mais destaque ao competente Jotabê Medeiros, depois que Sanches passou a ser mais panfletário e textualmente prolixo.

E chegamos a Cláudio Júlio Tognolli.

Era um jornalista da geração Bizz, nos anos 80, e tentou ser músico. Foi colega de escola de Paulo Ricardo e William Bonner e teve uma atuação mais, digamos, "alternativa" na década oitentista.

Tognolli, que chegou a ser capa de Caros Amigos, depois se consagrou em programas da Jovem Pan e CBN, e parece ter se entrosado com o universo da mídia venal.

Foi co-autor de uma biografia do cantor Lobão e do livro Assassinato de Reputações de Romeu Tuma Júnior.

Passou-se o tempo em que chegou a escrever um livro com José Arbex Jr. publicado na editora Boitempo, O Século do Crime.

E aí, diante de uma polêmica com Helen Braun, sua colega de bancada no Morning Show da Jovem Pan, Tognolli pediu demissão, dizendo que em breve divulgará "detalhes mais detalhados".

Aguardem cenas dos próximos capítulos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CLÁUDIA ABREU MANDOU RECADO PARA DEFENSORES DO FASCISMO

A atriz Cláudia Abreu, durante sua participação no programa Altas Horas, que Serginho Groisman apresenta na Rede Globo, deu um recado para os defensores do fascismo.

Ela está preocupada, como tantos cidadãos sérios do Brasil, com a ascensão da extrema-direita diante do catártico (porém masoquista) favoritismo, nas pesquisas, da candidatura de Jair Bolsonaro à Presidência da República.

Isso é muito, muito preocupante, e mostra que o reacionarismo das redes sociais anda ultrapassando os limites digitais, ameaçando botar o Brasil a perder.

Esses reaças - que conheci a partir dos tempos do Orkut, diante da "galera irada" da comunidade "Eu Odeio Acordar Cedo" - cada vez mais saem do armário, achando que seu obscurantismo social, político e ideológico representam o "novo" no Brasil.

Não, não representam o novo. Representam o velho, à volta à ditadura militar que os moleques que só querem "ir pra balada c'a galera" (observem o cacófato e se lembre…

A AÇÃO DO STF CONTRA LULA E O SUICÍDIO ELEITORAL DOS REAÇAS

CARMEN LÚCIA E MICHEL TEMER NA POSSE DE ALEXANDRE DE MORAES NO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL - A consagração do golpe político de 2016.

Não tinha que dar em outra coisa.

Quando Alexandre de Moraes, ministro do STF, foi indicado relator do recurso enviado pela defesa de Lula, que contestava a anulação do julgamento do pedido de liberdade feita por Luiz Edson Fachin, foi como se escolhesse a raposa para julgar a condenação do galo.

Foi ontem à tarde e Alexandre de Moraes foi curto e grosso: segundo ele, não havia problema algum na anulação do julgamento do pedido de liberdade para Lula.

Ele aceitou a decisão de Fachin de deixar o julgamento do novo recurso em agosto, praticamente dificultando a candidatura do ex-presidente a um novo mandato.

O pedido de liberdade foi negado e a possibilidade de julgar a condenação dada ao ex-presidente continua sendo de responsabilidade do plenário, e não da segunda turma.

Quando Fachin passou a saber que a segunda turma do Supremo Tribunal Federal, ao inoce…

A GAFE MUNDIAL DE GUILHERME FIÚZA

Há praticamente dez anos morreu Bussunda, um dos mais talentosos humoristas do país.

Mas seu biógrafo, Guilherme Fiúza, passou a atrair as gargalhadas que antes eram dadas ao falecido membro do Casseta & Planeta.

Fiúza é membro-fundador do Instituto Millenium, junto com Pedro Bial, Rodrigo Constantino, Gustavo Franco e companhia.

Gustavo Franco, com sua pinta de falso nerd (a turma do "cervejão-ão-ão" iria adorar), é uma espécie de "padrinho" de Guilherme Fiúza.

O valente Fiúza foi namorado da socialite Narcisa Tamborindeguy, que foi mulher de um empresário do grupo Gerdau, Caco Gerdau Johannpeter.

Não por acaso, o grupo Gerdau patrocina o Instituto Millenium.

Guilherme Fiúza escreveu um texto na sua coluna da revista Época em que lançou uma tese debiloide.

A de que o New York Times é um jornal patrocinado pelo PT.

Nossa, que imaginação possuem os reaças da nossa mídia, que põem seus cérebros a serviço de seus umbigos!

Imagine, um jornal bastante conhecido nos…

ABSOLVIÇÃO DE GLEISI E PAULO BERNARDO PELO STF E O CASO LULA

A segunda turma do Supremo Tribunal Federal absolveu o casal Gleisi Hoffmann, senadora e presidenta do Partido dos Trabalhadores, e Paulo Bernardo, ex-ministro dos governos Lula e Dilma Rousseff, da acusação de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Os dois eram acusados, juntamente com o empresário Ernesto Kugler, de participarem de suposto esquema de corrupção que envolveu também a Petrobras.

Esse esquema seria um desvio de dinheiro para a campanha de Gleisi para senadora em 2010.

As acusações foram baseadas em delações feitas para a Operação Lava Jato, por Paulo Roberto Costa, ex-diretor da estatal, e o doleiro Alberto Yousseff, e carecem de provas consistentes.

Na votação, os ministros do STF, Luiz Edson Fachin, relator, e Celso de Mello, revisor, decidiram absolver Gleisi das acusações, mas condená-la por falsidade ideológica e caixa dois.

Os demais ministros, Dias Toffoli, Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski, votaram pela absolvição total, por verem que as delações eram contr…

O "POPULAR DEMAIS" E O FIM DO SONHO PSEUDO-LIBERTÁRIO

Era uma vez a Santíssima Trindade da intelectualidade festejada, três reis magos que prometiam que a bregalização transformaria o Brasil num paraíso.

Paulo vinha com sua "bíblia" transformando cafonas despolitizados em supostos inimigos da ditadura militar.

Pedro passeava pelos bosques da mídia esquerdista (e ainda passeia) vendendo seu peixe chamado lochte originalmente criado pela Folha, na tentativa de promover o "popular demais" como algo "libertário".

E Hermano (hermano de um músico que, sinceramente, admiro) querendo promover à posteridade como "etnografia honorável" a ditabranda do mau gosto "popular" que os canonizados "são" Paulo e "são" Pedro divinizaram em seus textos.

Eram tempos áureos, em que se prometia que o jabaculê dos sucessos musicais radiofônicos do presente ou de um passado relativamente remoto seriam o folclore musical do amanhã.

Ou, no caso de, por exemplo, das mulheres-objetos (algumas tamb…

TRF-4 E A CRISE JURÍDICA NO CASO DA PRISÃO DE LULA

O DESEMBARGADOR DO TRF-4, ROGÉRIO FAVRETO, E O RELATOR DA SENTENÇA DO TRIBNUAL QUANTO À CONDENAÇÃO DE LULA, JOÃO PEDRO GEBRAN NETO.

Domingo, normalmente, é um dia de folga no Brasil.

Mas ontem foi um dia de muita trabalheira, depois que o desembargador do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), Rogério Favreto, acatou ação movida por aliados do ex-presidente Lula.

Os deputados do Partido dos Trabalhadores, Wadih Damous (RJ), Paulo Pimenta (RS) e Paulo Teixeira (SP) entraram com o pedido de libertação de Lula no serviço de plantão do TRF-4.

O desembargador plantonista Rogério Favreto acatou a decisão e encaminhou ofício determinando a libertação do ex-presidente Lula.

Isso criou uma grande expectativa. Em Curitiba e em São Bernardo do Campo, simpatizantes de Lula já estavam em plantão diante da possibilidade de soltar o ex-presidente.

Diante dessa possibilidade, Sérgio Moro reagiu, irritado, escrevendo um documento alegando que o desembargador é incompetente na função de determ…

TV LINHAÇA - SALVADOR, NITERÓI E AS VIAS DA MOBILIDADE URBANA

Enquanto Salvador, capital da Bahia, construiu estradas visando resolver diversos problemas de trânsito, Niterói não consegue sequer resolver o problema de dois bairros vizinhos (Rio do Ouro e Várzea das Moças) que, sem uma avenida própria de ligação, dependem de rodovia estadual para se comunicarem. Com isso, a rodovia, RJ-106, sofre sobreposição de funções no trecho niteroiense.

A AMEAÇA FASCISTA É REAL E DEVE SER COMBATIDA

O SALTO PARA A MORTE DAS MORSAS DO ALASCA - METÁFORA PARA O QUE AMEAÇA VIR PARA OS BRASILEIROS.

De repente, a metáfora das morsas do Alasca contagia os brasileiros.

Num documentário de TV, se mostrou o estranho caso das morsas que saltam rolando pelo abismo.

Achando que irão cair na água para nadarem e sentir o seu frescor, as morsas caem do precipício e, abatendo-se sobre o chão, morrem.

A ameaça fascista de Jair Bolsonaro, um golpe militar travestido de voto popular, é algo que pode levar o país a perder.

Não podemos superestimar os traumas do golpe de 2016, no qual a presença, não só de Jair, mas também de seus filhos, foi bastante decisiva.

As orgulhosas marchas dos manifestoches, dois anos depois, são motivo de vergonha para o que antes se fazia de cabeça erguida, ainda que quente.

Mas, como diz o ditado, "cabeça quente, pé frio", e a lição catastrófica do governo Michel Temer, de maneira comprovada, não se resolverá com um Bolsonaro no poder.

Pelo contrário. Bolsonaro …