Pular para o conteúdo principal

CLÁUDIO JÚLIO TOGNOLLI OU COMO SER JORNALISTA POLÊMICO EM SÃO PAULO


A notícia da saída de Cláudio Júlio Tognolli da Jovem Pan, poleiro de jornalistas tucanizados e reaças de carteirinha, é mais um episódio da aventura que é ser jornalista polêmico em São Paulo.

A cada temporada surgia um jornalista, geralmente cultural, mas depois afeito a comentários políticos, que causava escândalos e controversas na opinião pública.

Era uma espécie de aventureiro do texto que buscava visibilidade escrevendo textos para desagradar as pessoas ou causar algum tipo de escândalo.

É um fenômeno que tem pouco menos de 35 anos.

Começou com Pepe Escobar, jornalista cultural da Folha de São Paulo, que foi uma espécie de David Nasser do pop, afeito a escrever bons textos que ocultavam fraudes jornalísticas.

Segundo Ricardo Alexandre, em Dias de Luta, Escobar era acusado por um musico do Voluntários da Pátria de ter pedido para este comentar bandas de rock para o jornalista "montar" uma resenha.

Pepe Escobar causou muito escândalo com seus textos um tanto sensacionalistas. Deu um sumiço e se arrependeu profundamente do que fez.

No exterior, ele mudou completamente e virou um dos melhores analistas da política internacional, nos últimos 15 anos.

Tornou-se um especialista em assuntos do Oriente Médio, fazendo boas reportagens sobre o 11 de Setembro, a Primavera Árabe e, recentemente, os bastidores da cobiça imperialista às nossas reservas de pré-sal.

Depois de Pepe Escobar, que havia sido o jornalista provocativo pré-Bizz - na verdade, seu auge foi ainda nos primórdios da revista - , veio André Forastieri.

Ele tornou-se chefe de redação da revista Bizz e encerrou o bom ciclo da revista musical da Abril, entre 1985 e 1990.

Esse ciclo foi extinto sob a desculpa de que os jornalistas, vários deles envolvidos com música, escreviam para o próprio umbigo, falando de bandas que o grande público desconhecia.

Forastieri passou a fazer um anti-jornalismo, com uma postura niilista, na qual havia a covardia de classificar o disco Meat is Murder dos Smiths como o pior disco de todos os tempos.

Era a época em que uma mera sátira de jovens delinquentes, o seriado Beavis and Butthead, era vista equivocadamente pela mídia brasileira como se fosse uma "consultoria de rock'n'roll".

A decadência da Bizz nos anos 90, depois fragmentada no pseudo-zine General, revista fundada por Forastieri quando fundou uma editora dedicada a HQs,

O maior pecado de Forastieri foi reduzir a cultura rock ao pragmatismo quase indigente dos anos 90.

Aquela coisa: entre o hit-parade e a rebeldia mais simplória, mesmo que seja apenas para fazer barulho e contar piadas.

Depois de tanto mau gosto e de reduzir a cultura rock brasileira a uma bobagem infantiloide, Forastieri se concentrou nos quadrinhos e virou colunista de Caros Amigos.

Caros Amigos ainda procurava algum intelectual cultural de esquerda, espécie ainda difícil de ser encontrada no panteão da visibilidade fácil.

Forastieri até virou um esforçado analista de temas políticos e midiáticos, às vezes acertando em alguns textos.

Hoje permanece nessa linha, meio morna mas correta.

E aí veio Pedro Alexandre Sanches, o esforçado jornalista da Folha de São Paulo, que aprendeu direito as lições de Otávio Frias Filho e seu Projeto Folha.

A ideia é criar um jornalismo enxuto, aparentemente objetivo e profissionalmente correto, mas com uma linha editorial voltada a uma mentalidade neoliberal.

Tavinho Frias havia tirado o que havia de jornalista de esquerda, conforme havia descrito José Arbex Jr. no livro Showrnalismo - A Mídia Como Espetáculo.

Sanches passou a defender a bregalização cultural, adotando um discurso pretensamente tropicalista, como se o comercialismo musical dos bregas fosse algum movimento libertário. Só que não.

Era o que eu defini como "ditabranda do mau gosto", combinando o jargão "ditabranda" lançado pela Folha com a supremacia do "mau gosto popular" que a intelectualidade festiva lançava na época, por volta de 2005.

Era a ascensão da intelectualidade "bacana", que ainda estava "no armário" na Era FHC, enfiando ideias do próprio Fernando Henrique Cardoso (Teoria da Dependência) na música brasileira.

A ideia é investir na defesa de uma música "popular demais" meramente comercial, mercantilista mas que valesse pelas "polêmicas" que causava com sua mediocridade e com a visão caricatural do povo pobre.

Juntando a Teoria da Dependência de FHC com o "fim da História" de Francis Fukuyama, Pedro Sanches decretou que a história da MPB acabou e que a ideia é investir no que ele definia de "cultura transbrasileira".

Vendeu a ideia primeiro para a Folha, depois para Estadão e revista Época. Até que, ainda na crise do governo FHC, com a tragédia da Plataforma P-36, da Petrobras, e a crise da energia elétrica (apagão), em 2001, a intelligentzia se preparava para se infiltrar no esquerdismo.

A ideia é evitar o papelão da ditadura militar, que deixou que uma "frente ampla" da MPB, com a reconciliação de cepecistas e bossanovistas, transmitir cultura musical de qualidade.

Ou de surgir, no âmbito comportamental, figuras como Leila Diniz ou a turma de O Pasquim.

A intelectualidade "bacana" então decidiu exaltar as mais canhestras expressões musicais, sob a desculpa do "combate ao preconceito".

Monopolizando a visibilidade, não tiveram um contraponto à altura que pudesse neutralizar essa visão de valor bastante duvidoso.

Pior: vendendo a ideia primeiro na mídia venal, sobretudo Rede Globo e Folha de São Paulo, foram também vender na mídia esquerdista.

E aí Pedro Alexandre Sanches foi passear pelas redações esquerdistas, na Carta Capital, Caros Amigos e revista Fórum transmitindo pontos de vista próprios da Folha e da Globo.

Era estranho: os intérpretes "populares demais" que Sanches resenhava, num espaço de cinco meses, virava queridinho da Globo, da Folha e até de Veja e Caras.

Sanches passou quase toda a Era PT querendo ser "o intelectual cultural de esquerda" com suas visões neoliberais, sonhando com um pop comercial brasileiro pretensamente "provocativo".

Ultimamente parece querer desembarcar dessa postura, depois de ter se "queimado" esculhambando Chico Buarque e estimulando um parceiro seu no Farofafá a ridicularizar Vladimir Safatle.

E aí, aos poucos, o Farofafá passa a dar mais destaque ao competente Jotabê Medeiros, depois que Sanches passou a ser mais panfletário e textualmente prolixo.

E chegamos a Cláudio Júlio Tognolli.

Era um jornalista da geração Bizz, nos anos 80, e tentou ser músico. Foi colega de escola de Paulo Ricardo e William Bonner e teve uma atuação mais, digamos, "alternativa" na década oitentista.

Tognolli, que chegou a ser capa de Caros Amigos, depois se consagrou em programas da Jovem Pan e CBN, e parece ter se entrosado com o universo da mídia venal.

Foi co-autor de uma biografia do cantor Lobão e do livro Assassinato de Reputações de Romeu Tuma Júnior.

Passou-se o tempo em que chegou a escrever um livro com José Arbex Jr. publicado na editora Boitempo, O Século do Crime.

E aí, diante de uma polêmica com Helen Braun, sua colega de bancada no Morning Show da Jovem Pan, Tognolli pediu demissão, dizendo que em breve divulgará "detalhes mais detalhados".

Aguardem cenas dos próximos capítulos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

COMO SOBREVIVER NO BRASIL GOVERNADO POR JAIR BOLSONARO?

Está bem, Michel Temer completou o mandato, rindo do "Fora Temer" que não conseguiu tirá-lo do poder, e Jair Bolsonaro tornou-se presidente da República.

Agora, temos que encarar a situação com cabeça fria. Foi perdendo a cabeça que a oposição fez com que a ditadura militar decretasse o AI-5, há 50 anos.

Bolsonaro pretende eliminar o que ele entende como "doutrinação ideológica" nas escolas, que devem retomar as antigas relações hierárquicas entre professor e aluno.

Ele divulgou o novo salário mínimo, abaixo da expectativa. Em vez de R$ 1.006, R$ 998.

Na véspera da posse, ele anunciou ainda que vai decretar leis facilitando o porte de arma do cidadão comum "sem antecedentes criminais".

Isso causará uma espécie de holocausto a varejo. O Partido dos Trabalhadores já encomendou estudos para comprovar o desastre da medida e impedir sua regulamentação (ou desregulamentação, melhor dizendo, porque será o caos).

Jair Bolsonaro ainda falou da "libertação&qu…

A GAFE MUNDIAL DE GUILHERME FIÚZA

Há praticamente dez anos morreu Bussunda, um dos mais talentosos humoristas do país.

Mas seu biógrafo, Guilherme Fiúza, passou a atrair as gargalhadas que antes eram dadas ao falecido membro do Casseta & Planeta.

Fiúza é membro-fundador do Instituto Millenium, junto com Pedro Bial, Rodrigo Constantino, Gustavo Franco e companhia.

Gustavo Franco, com sua pinta de falso nerd (a turma do "cervejão-ão-ão" iria adorar), é uma espécie de "padrinho" de Guilherme Fiúza.

O valente Fiúza foi namorado da socialite Narcisa Tamborindeguy, que foi mulher de um empresário do grupo Gerdau, Caco Gerdau Johannpeter.

Não por acaso, o grupo Gerdau patrocina o Instituto Millenium.

Guilherme Fiúza escreveu um texto na sua coluna da revista Época em que lançou uma tese debiloide.

A de que o New York Times é um jornal patrocinado pelo PT.

Nossa, que imaginação possuem os reaças da nossa mídia, que põem seus cérebros a serviço de seus umbigos!

Imagine, um jornal bastante conhecido nos…

O INCÊNDIO DA CATEDRAL DE NOTRE DAME E O DESCASO CULTURAL DA RETOMADA CONSERVADORA

No contexto da retomada ultraconservadora vigente desde 2016, é irônico que patrimônios históricos e culturais sejam perdidos ou ameaçados.

Lembra o apetite dos medievais em destruir o legado da Antiguidade clássica, não bastasse as batalhas e guerras que já destruíram muita coisa desse período.

Ou, no microcosmo do macrocosmo, os incêndios que fizeram perder muitos acervos de televisão durante a ditadura militar.

O incêndio da Catedral de Notre Dame, em Paris, é comparável ao do Museu Nacional no Rio de Janeiro.

É irônico, também, que, se o Rio de Janeiro se modernizou para se tornar a Paris dos trópicos, a Paris dos últimos tempos decai como se fosse o Rio de Janeiro do Velho Mundo.

O incêndio da catedral de Notre Dame, pelo menos, foi causado, provavelmente, por um acidente num trabalho de reforma do edifício, e seu acervo já havia sido deslocado para um salão em um outro prédio.

Não foi o caso do Museu Nacional, cujo fogo - causado pelo mesmo motivo do trágico incêndio no centro …

ASSUSTADO, MICHEL TEMER LIGA PARA FAUSTÃO PARA DAR EXPLICAÇÕES

FAUSTO SILVA LEMBROU DOS TEMPOS EM QUE ENTREVISTOU MICHEL TEMER NOS ANOS 80.

O comentário de Fausto Silva, no Domingão do Faustão da Rede Globo, contra o governo Michel Temer, foi sem dúvida alguma tendencioso.

Foi muito longe de ser um progressista.

Não dava para o intelectual "bacana", que sonha com o folclore brasileiro de amanhã montado com as breguices que rolam nos palcos do Domingão, "guevarizar" o comentário do apresentador dominical.

Farofafeiros "guevarizaram" a novela Os Dez Mandamentos, da Rede Record, só porque tiraram a Rede Globo da liderança da audiência.

Deram um tiro no pé.

Os donos da Rede Record fazem parte da "bancada da Bíblia" que ultimamente está relacionada à derrubada do governo Dilma Rousseff e ao estabelecimento de agendas retrógradas para o país no Congresso Nacional.

Uma dessas agendas é a ultradecadente Escola Sem Partido, que proibirá tanto o debate da realidade quanto a interferência em mitos religiosos.

Os farof…

BOLSONARISTA ARREPENDIDO, JOSÉ PADILHA SE DECEPCIONOU COM SÉRGIO MORO

Reviravolta no cenário de respaldo ao governo Jair Bolsonaro.

Antes bolsonarista, José Padilha afirmou sua decepção com o juiz Sérgio Moro, a cada vez mais distante da "heroica" figura que simbolizou artificialmente em 2016.

O cineasta de Tropa de Elite 1 e 2, que chegou a fazer uma série inspirada na Operação Lava Jato, havia chamado o ex-juiz e ministro da Justiça de Jair Bolsonaro de "samurai ronin".

A alegação era de que Moro agia com "independência política", mas Padilha se esqueceu que "ronin" era um tipo de mercenário.

Ontem Padilha escreveu um artigo na Folha de São Paulo dizendo que Moro perdeu sua "independência" e agora trabalha para a família Bolsonaro, que, sabemos, está envolvida com milicianos.

Padilha criticou o "pacote anti-crime" do ministro da Justiça, por ele favorecer o abuso policial e, sobretudo, a ação das milícias.

As milícias são grupos que envolvem policiais civis e militares corruptos que, paralel…

O PESADELO CARIOCA RESULTANTE DO PRAGMATISMO E DA ACOMODAÇÃO

Várias coisas sombrias ocorreram no Brasil de hoje, mais precisamente o Rio de Janeiro.

No último domingo, um músico e segurança, Evaldo dos Santos Rosa, foi vítima de um massacre provocado por militares do Exército, em Guadalupe.

Eles alvejaram o carro com mais de 80 tiros. O sogro do músico saiu ferido. No carro, além dos dois, estavam o filho de Evaldo, a esposa dele, Luciana, e uma outra mulher.

Um pedestre que tentou dar socorro às vítimas também ficou ferido.

Luciana pediu socorro aos militares, que reagiram com deboche. Eles achavam que haviam matado um "bandido", mas Evaldo, muito querido na sua comunidade, não tinha antecedentes criminais.

Era um inocente que se somou às estatísticas de centenas de inocentes mortos pela violência carioca.

O incidente ocorreu no mesmo dia que três truculentos homens, num protesto pró-Lava Jato, agrediram uma mulher que atravessava o local e gritou "Lula Livre".

Sob a desculpa de que evitavam que a mulher fosse agredir usan…

O RIO DE JANEIRO SE PERDE AO QUERER SOMENTE O "BÁSICO"

Sabemos que é desagradável escrever isso para cariocas e fluminenses, mas em parte eles consentiram com a decadência que o Rio de Janeiro está vivendo nos últimos anos.

Os desastres que acontecem envolvem quase sempre aquela visão pragmática do "não é aquela maravilha, mas até que está bom demais".

Isso inclui até mesmo a adoção de milicianos como "segurança comunitária" e do Exército como arremedo de segurança policial.

Isso influiu nas duas das três tragédias ocorridas na semana que se encerra.

Um músico e segurança, Evaldo Rosa, foi assassinado por militares do Exército no Guadalupe, dentro de um carro que tinha ele e outras pessoas, gente realmente do bem, que ia a um chá-de-bebê de pessoas amigas.

Ontem foi o desabamento de dois prédios na Comunidade da Muzema, em Itanhangá, vizinho ao bairro de Rio das Pedras.

Esse entorno é dominado por milicianos que teriam ordenado a construção, de forma irregular, desses prédios, através de uma imobiliária clandestina qu…

O ULTRACOMERCIALISMO QUE AS GERAÇÕES MAIS RECENTES IGNORAM

MC KEVINHO NA APRESENTAÇÃO DO LOLLAPALOOZA CHILE.

As gerações mais recentes, geralmente de até 40, 41 anos, não sabe a diferença do que é comercial e do que não é.

Os chamados millenials, sobretudo, são hipermidiatizados e hipermercantilizados, ou seja, têm uma formação cultural fundamentada no poder midiático e mercadológico que consomem.

São tão mercantilizados e midiatizados que acham tudo natural como se fosse o ar que respiram.

Uns se sentem ofendidos quando se fala, por exemplo, que a gíria "balada" é um jargão da mídia venal (mais especificamente da "franquia" Luciano Huck-Rede Globo-Jovem Pan).

Acham que tudo o que eles consomem é "natural" e até os chicletes de bola nascem em árvore.

Não conseguem perceber que as músicas que ouvem são predominantemente comerciais.

Numa época de saudosismo artificial dos anos 90, em que breguices como É O Tchan, Grupo Molejo e Chitãozinho & Xororó gravando "Evidências" são tidos como cult, fica compl…