Pular para o conteúdo principal

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: E TEM GENTE QUE "AMA TUDO ISSO"


A precarização do trabalho do governo de Michel Temer é assustadoramente apoiada por setores influentes de nossa sociedade.

Tem gente querendo a extinção da Carteira de Trabalho e a redução de salários e encargos trabalhistas.

Acha que com isso a economia brasileira vai deslanchar.

É o papo de que apertando demais o pescoço a pessoa possa respirar melhor.

O que faz as pessoas pensarem assim? Não dá para entender.

Sabe-se que é uma combinação do endeusamento da meritocracia, a ideologia dos privilégios sociais, com a utopia de que mais sacrifícios trariam melhores resultados para a vida.

Temos casos de várias grifes de moda, denunciadas por trabalho análogo à escravidão.

E o dono de uma rede de lojas também acusada deste "novo método de trabalho" deu mais uma declaração infeliz.

É o empresário Flávio Rocha, da rede de lojas Riachuelo.

Defensor da reforma trabalhista do governo Temer, ele disse que o chamado "Estado Robin Hood" do governo Dilma Rousseff acabou.

Flávio deu um tiro no pé. Acusou Dilma e seu antecessor Lula de apelarem para o "Estado Robin Hood", um discurso que atribui como "roubo" transferir o dinheiro dos ricos para os pobres.

O dono da Riachuelo, ele um executivo "galã" de uma loja frequentada pela "boa sociedade", foi processado a pagar pensão vitalícia a uma ex-funcionária.

Ela foi obrigada a trabalhar, por hora, costurando 300 bolsos das calças e colocando 500 elásticos.

Ela evitava beber água para ir menos ao banheiro, deslocamento condicionado pelas fichas controladas por um funcionário.

A Riachuelo, curiosamente, já fez parcerias promocionais com a McDonald's, rede de lanchonetes que se autoproclamam "restaurantes" e oferecem como almoço um lanchinho explosivo (literalmente) para estômagos mais sensíveis.

Literalmente, porque aquelas substâncias químicas com altos índices de gordura e açúcar, fritadas em fogões enferrujados com óleo vencido, são de levar qualquer um para o hospital.

Mas o tempero amargo desse lanche nada saudável se dá a profissionais tristes e precarizados, que contrastam com os fregueses felizes que frequentam a lanchonete mais bovinos do que o gado que é abatido para os hambúrgueres sintéticos servidos no local.

Os fregueses que "amam tudo isso" sem perceber o lado sombrio do mercado de trabalho da empresa no Brasil. Tara-tá-tá!!

Os trabalhadores da rede são gente que sofreu humilhações por ser negro ou, no caso das mulheres, por ficarem grávidas.

Pessoas que, no almoço do trabalho, comem apenas o lanchinho que é o tal "almoço completo" da propaganda da rede.

Segundo o filme Super Size Me - A Dieta do Palhaço (Super Size Me) de Morgan Spurlock, uma dieta dessas é fatal para a saúde.

Ele mesmo quase morreu de tão gordo e subnutrido, sofrendo constantes crises de vômito e fortes dores de cabeça, comendo esse "almoço completo" oferecido pela "rede de restaurantes".

Indo para a precarização do trabalho, que Temer quer implantar na reforma trabalhista, é assustador que pessoas agora defendam abertamente isso.

Desculpas não faltam: programas de "qualidade total", premiação pelo trabalho "ágil" (sobrecarregado), racionalização de custos para mão-de-obra, estímulo para trabalhadores moderarem nos salários etc.

De repente, usa-se argumentos "técnicos" para prejudicar as classes trabalhadoras sem assumir que está defendendo esse prejuízo.

Este é o Brasil de Michel Temer, o presidente que quer cortar gastos públicos mas realiza jantar milionário para obter apoio para essa perversidade.

Em 2017 o país poderá se tornar ainda mais amargo com a aplicação da PEC do Teto e com as reformas trabalhista e previdenciária.

O Brasil perderá muito com isso. Esse é o preço da sociedade acreditar nos mitos da meritocracia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…