Pular para o conteúdo principal

GRANDE MÍDIA É CULPADA PELA INVASÃO DE FASCISTAS NA CÂMARA DOS DEPUTADOS


Na tarde de hoje, um grupo de extrema-direita invadiu a Câmara dos Deputados, durante a sessão que debatia o "pacote anti-corrupção", por volta de 15h30.

Cerca de 50 estavam dentro da casa legislativa. Mais de 800 estavam fora.

Gritavam as habituais frases como "A nossa bandeira jamais será vermelha", louvavam o juiz midiático Sérgio Moro, pediam a presença do deputado Jair Bolsonaro, ausente na ocasião, e pediam intervenção militar sob os gritos "Queremos um general aqui!".

Defendiam também projetos como Escola Sem Partido e se diziam não pertencer a organização alguma. E afirmaram que estavam lá para "fechar o Congresso Nacional".

Havia muitos adultos, pessoas com idades presumíveis em torno de 50, 60 anos de idade, embora houvesse também jovens. Eles teriam sido financiados por um empresário para chegarem a Brasília.

Esses "indignados" são gente extremista que já estava presente nas passeatas anti-Dilma, mostrando símbolos fascistas e perguntando por que a ditadura não matou todos os esquerdistas.

Os "manifestantes" quebraram vidraças e se envolveram com muita pancadaria.

Este é um ato extremo de facções reacionárias da sociedade que, quinze anos atrás, estavam escondidas nas mídias sociais.

Já observava reaças assim na página da Rádio Cidade, "roqueiros" que pediam o fechamento do Congresso Nacional, sob a desculpa de "combater a corrupção". Queriam, em outras palavras, extinguir o Poder Legislativo.

A 89 FM também tinha fascistas assim, à maneira dos da Jovem Pan.

"Coxinhas" fanáticos por Luciano Huck, em 2007, fizeram cyberbullying contra mim, escondidos na comunidade Eu Odeio Acordar Cedo no Orkut, só porque critiquei a midiática gíria "balada", um subproduto da trinca Rede Globo-Luciano Huck-Jovem Pan.

Naquela época eu já definia esses valentões digitais como "fascistas", oito anos antes de gente famosa como Taís Araújo, Maria Júlia Coutinho e esquerdistas como Lola Aronovich e Eduardo Guimarães sofrerem ataques semelhantes.

Vendo essa informação, me lembro do rumo lamentável que seguiu o grupo Capital Inicial, depois que gravou "Vamos saquear Brasília".

Eu admirava o Capital Inicial e conheci a banda desde as demos da Fluminense FM.

Achava até o Dinho Ouro Preto admirável pela sua jovialidade, antes dele ficar carregando demais de gírias como "cara", "véio" etc.

Mas a essas alturas ele já havia gravado músicas como "Vamos Saquear Brasília", que é um tremendo mau gosto, fazendo apologia a atos semelhantes como o que ocorreu hoje na Câmara dos Deputados.

E Dinho Ouro Preto havia exaltado Sérgio Moro, que estava no camarote durante a apresentação do grupo brasiliense-paulista em Curitiba.

Dinho teve a coragem de dedicar "Que País é Este?" do Aborto Elétrico ao midiático juiz e "sósia do Superman" que manobra a Operação Lava Jato.

Imagino Renato Russo, se vivo estivesse, chateado com a atitude do amigo.

"Sacanagem, né, Dinho? Eu não confio nesse juiz, não! Você pelo menos poderia ter criado uma canção própria em homenagem a ele. Da minha música, cuido eu e escolho para quem dedicar", teria dito o saudoso cantor.

Na verdade, a grande mídia é culpada pela invasão de fascistas na Câmara dos Deputados.

Ela é que incitou todo esse anti-petismo doentio, psicótico, neurótico, inconsequente.

Foi uma campanha doentia nas mídias sociais, na grande imprensa, com veículos jornalísticos despejando as mais descaradas mentiras, as mais arrepiantes calúnias.

Isso estimulou toda essa carga de raiva extrema e de reacionarismo ao mesmo tempo estúpido, arrogante, ameaçador e prepotente.

Reinaldo Azevedo, Diogo Mainardi e similares criaram uma "epidemia" que contagiou até mesmo jornalistas que eram conservadores, sim, mas tinham alguma compostura, como Augusto Nunes e Ricardo Noblat.

Hoje até eles atuam como se fossem moleques escrevendo textos nos fóruns.

Agora eles e os políticos reacionários estão preocupados com o extremismo dos invasores.

Eles agora têm que reagir, porque eles acabaram criando uns monstros.

O país está em sério perigo. A democracia está ameaçada, graças a tanto golpismo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…