Pular para o conteúdo principal

CHICO BUARQUE E A "RODA VIVA" TUCANA DA TV CULTURA


Podem reclamar os intelectuais "bacanas", mas o dito "coronel da Fazenda Modelo", o cantor e compositor Chico Buarque de Hollanda sempre esteve ao lado dos movimentos sociais.

Dignidade não tem comprovante de renda, para menos ou para mais, é uma questão de consciência.

Chico Buarque decidiu mover ação contra a Fundação Padre Anchieta, depois que o programa Roda Viva, da TV Cultura, fez uma edição vexaminosa com o presidente Michel Temer.

O programa usava a música do mesmo nome, tema da peça homônima criada pelo compositor, na vinheta de abertura do famoso jornalístico.

Chico Buarque, amigo de Lula e Dilma Rousseff, foi um dos brasileiros lesados pelo vergonhoso processo de impeachment que ceifou o mandato da presidenta, este ano.

Já dedicou a música "Apesar de Você", originalmente composta para o general Emílio Médici, para o presidente Michel Temer.

A intelectualidade "bacana", tão zelosa pelo seu "bom esquerdismo", foi esculhambar Chico Buarque por ele simbolizar a "velha e desgastada MPB".

Tentaram contrapô-lo com uma funqueira que transforma o ativismo feminista e plus size em mercadoria para a alta sociedade reunida nos palcos da Rede Globo.

Tendenciosa, a funqueira chegou a ter um mesmo texto publicado ao mesmo tempo por veículos midiáticos convencionais: da mídia venal, destacam-se o G1, da Globo, e o UOL, da Folha de São Paulo.

Contrapor Chico Buarque com o "funk" é uma das manobras do lobby dos intelectuais "bacanas", alguns "fielmente vinculados à esquerda", esperançosos em ver o "pancadão" divinizado por "apoiar" Dilma nas horas mais difíceis.

Até os funqueiros virarem as costas e comemorarem suas conquistas abraçados aos barões da mídia.

Chico Buarque está sempre ao lado das esquerdas e se sentiu constrangido com a edição do Roda Viva da TV Cultura.

O compositor cedeu sua música nos tempos em que o já falecido Fernando Faro, um admirável batalhador da cultura brasileira, trabalhava na referida emissora estatal.

Na época, a TV Cultura não era um veículo do PSDB paulista e primava por programas educativos e pelo profissionalismo que não havia mais na TV aberta.

Só para se ter uma ideia, o Mobile foi criado por Fernando Faro em 1962, numa emissora comercial, a TV Paulista, depois adquirida pela Rede Globo.

Só para se ter uma ideia, a TV Paulista foi o berço do Programa Sílvio Santos, quando o apresentador, em 1961, fazia sua esreia com o programa Vamos Brincar de Forca? (que teve temporadas recentes no SBT).

É insólito hoje, mas uma mesma emissora transmitia o Vamos Brincar de Forca? e o Mobile. E era uma emissora comercial, relativamente popular.

E aí a boa fase da TV Cultura, no começo dos anos 1990, se dissolveu depois quando a emissora deixou de ser pública, na sua praxe, para se tornar veículo de propaganda do PSDB paulista.

E aí vemos o Roda Viva, antes um excelente formato de programa de entrevistas, deixar seu lado questionador e virar uma roda de amigos.

Virou mais uma roda fraternal de gente ligada à grande mídia e solidária à plutocracia política.

Muitas edições mostravam isso, e até o Movimento Brasil Livre foi alimentar sua visibilidade no programa.

Mas a gota d'água foi a edição com Michel Temer, que se iniciou como um forçado formato sisudo para depois descambar para o coleguismo mais viscoso.

Consta-se que o programa já está bolando nova vinheta, sem a música de Chico Buarque.

Ao que tudo indica, o programa manterá o nome, sem o vínculo com a referida canção.

Abaixo, reproduzimos a íntegra da carta de notificação extrajudicial:

À FUNDAÇÃO PADRE ANCHIETA – CENTRO PAULISTA DE RÁDIO E TV EDUCATIVAS,
Rua Cenno Sbrighi, nº 378, Água Branca,
CEP 05036-900, São Paulo/SP,

Ref.: Notificação Extrajudicial – Utilização da obra musical “Roda Viva”, de autoria de Chico Buarque, no programa jornalístico homônimo

Prezados Senhores,

Na qualidade de advogados e procuradores de FRANCISCO BUARQUE DE HOLLANDA e de MAROLA EDIÇOES MUSICAIS LTDA, conforme a procuração anexa (Anexo I – Procuração), o primeiro sendo o conhecido e renomado artista e autor Chico Buarque, e a segunda sociedade empresária titular dos direitos patrimoniais de autor sobre as obras musicais de autoria do referido compositor, ambos domiciliados na Av. Ataulfo de Paiva, n.º 135, sala 710, Leblon, Rio de Janeiro/RJ, vimos, pela presente, à presença de V.Sas. apresentar:


Brasil



Partilhar23
23 de novembro de 2016 - 17h43 
Chico Buarque solicita a retirada de sua música do programa Roda Viva 
“Desde 1986, quando a democracia engatinhava após o regime militar, a emissora abriu um espaço plural para a apresentação de ideias, conceitos e análises sobre temas de interesse da população, num espaço raro na televisão para a reflexão não só da realidade brasileira e mundial, como do próprio jornalismo e dos jornalistas.”

Reprodução
    Assim, a TV Cultura apresenta o seu programa Roda Viva. 30 anos é uma vida. Um espaço de tempo em que acontecem muitas coisas. Para o bem e para o mal. E foi isso que aconteceu com o programa Roda Viva, da TV Cultura. Antes um programa plural de ideias e conceitos, tanto progressistas quanto conservadores, hoje uma bancada de puxa-sacos a serviço de quem o comanda, no caso, o Governo do Estado de São Paulo, representado pelo PSDB, e seu parceiro no governo golpista de Michel Temer e seu PMDB, que afundou definitivamente o programa, ao agradecer a propaganda feita para o seu governo, durante a entrevista concedida em 15/11/2016.

“Tem dias que a gente se sente
Como quem partiu ou morreu
A gente estancou de repente
Ou foi o mundo então que cresceu
A gente quer ter voz ativa
No nosso destino mandar
Mas eis que chega a roda-viva
E carrega o destino pra lá
Roda mundo, roda-gigante
Roda-moinho, roda pião
O tempo rodou num instante
Nas voltas do meu coração…”

Símbolo da luta contra a ditadura, a música Roda Viva significa um sentimento que o programa homônimo se distanciou até entrar em rota de colisão. Chico Buarque, criador da música, sempre progressista e contra o autoritarismo, a repressão e a censura, em legítima conduta a favor da honra de sua obra e de sua vida, entrou com requerimento para a retirada da música da vinheta do programa.

Ao contrário de alguns colunistas da grande mídia, que negaram existir o pedido do Chico Buarque, aqui está o requerimento oficial da retirada da música roda viva do programa. Chico ainda reitera que a rede Jornalistas Livres será o canal em que serão passados os acontecimentos a partir de agora.

 Leia a íntegra da carta notificação extrajudicial 


À FUNDAÇÃO PADRE ANCHIETA – CENTRO PAULISTA DE RÁDIO E TV EDUCATIVAS,
Rua Cenno Sbrighi, nº 378, Água Branca,
CEP 05036-900, São Paulo/SP,

Ref.: Notificação Extrajudicial – Utilização da obra musical “Roda Viva”, de autoria de Chico Buarque, no programa jornalístico homônimo

Prezados Senhores,

Na qualidade de advogados e procuradores de FRANCISCO BUARQUE DE HOLLANDA e de MAROLA EDIÇOES MUSICAIS LTDA, conforme a procuração anexa (Anexo I – Procuração), o primeiro sendo o conhecido e renomado artista e autor Chico Buarque, e a segunda sociedade empresária titular dos direitos patrimoniais de autor sobre as obras musicais de autoria do referido compositor, ambos domiciliados na Av. Ataulfo de Paiva, n.º 135, sala 710, Leblon, Rio de Janeiro/RJ, vimos, pela presente, à presença de V.Sas. apresentar:

Notificação extrajudicial 

de forma a prover a conservação e ressalva de seus direitos e para que tome conhecimento formal, inequívoco e incontestável, do quanto a seguir se relata.

1 Chico Buarque é autor da obra musical intitulada “Roda Viva”, composta em 1967 para a peça de teatro homônima, também de sua autoria, e que estreou no ano seguinte no Rio de Janeiro sob a direção de José Celso Martinez Correa. Em São Paulo, a montagem de Roda Viva, no Teatro Galpão, em Julho de 1968, foi encerrada com a invasão do teatro por membro do Comando de Caça aos Comunistas – CCC, a milícia paramilitar de apoio à ditadura, os quais espancaram o elenco e membros do público. Em Outubro do mesmo ano, a apresentação de Roda Viva em Porto Alegre foi impedida pela repressão do regime autoritário. Nesse contexto, a música tornou-se símbolo da luta contra o autoritarismo e a repressão.


2 A Marola Edições Musicais Ltda é a titular dos direitos patrimoniais de autor de Chico Buarque sobre a obra musical “Roda Viva”.

3 A Constituição Federal de 1988, no seu artigo 5°, inciso XXVII, assegura que “aos autores pertence o direito exclusivo de utilização, publicação ou reprodução de suas obras”.

4 A Lei 9.610/98, também conhecida como Lei de Direitos Autorais, determina, no seu artigo 22, que “Pertence ao autor os direitos morais e patrimoniais sobre a obra que criou”. Reconhece a melhor doutrina que ao autor a lei reserva prerrogativas de natureza patrimonial ou econômicas e moral. As prerrogativas morais, também conhecidas por direitos morais do autor, integram a categoria dos direitos da personalidade, os quais se revestem de caráter absoluto, sendo inalienáveis e irrenunciáveis conforme dispõe o artigo 27 do mesmo diploma legal.

5 Com o objetivo de assegurar ao autor o controle sobre o uso da sua obra, por quaisquer modalidades de utilização, o artigo 29, caput, da Lei 9.610/98, determina que “Depende de autorização prévia e expressa do autor a utilização da obra, por quaisquer modalidades, tais como: (…) V – a inclusão em fonograma ou produção audiovisual”.


6 Além disso, a Lei 9.610/98 assegura aos autores o chamado direito moral de integridade, o qual vem previsto no seu artigo 24, inciso IV, que dispõe ser um direito do autor: “o de assegurar a integridade da obra, opondo-se a quaisquer modificações ou à prática de atos que, de qualquer forma, possam prejudicá-la ou atingi-lo, como autor, em sua reputação ou honra”.

7 Foi diante deste contexto legal que Chico Buarque, em 2008, atendendo a um pedido de seu amigo já falecido, Fernando Faro, então funcionário da TV Cultura desta Fundação Padre Anchieta, concedeu autorização gratuita para que a TV Cultura utilizasse a música Roda Viva, de sua autoria, na vinheta do programa homônimo. Com efeito a TV Cultura vem, desde então, exibindo o programa Roda Viva sempre com a música Roda Viva na sua vinheta.

8 Não obstante, no exercício de seus direitos exclusivos, tanto de ordem moral como patrimonial, Chico Buarque e Marola Edições Musicais Ltda requerem a V. Sas. a retirada da música “Roda Viva” da trilha sonora do programa homônimo da TV Cultura, produzido e exibido por esta Fundação Padre Anchieta.

9 Requer-se, ainda, a apresentação, em até 48 (quarenta e oito) horas a contar do recebimento desta notificação, de eventual documento escrito contendo a autorização para a utilização da música em questão no programa Roda Viva.

Sem mais, para o momento, subscrevemo-nos.

Rodrigo Köpke Salinas
OAB/SP 146.814
Leo Wojdyslawski

OAB/SP 206.971

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A GAFE MUNDIAL DE GUILHERME FIÚZA

Há praticamente dez anos morreu Bussunda, um dos mais talentosos humoristas do país.

Mas seu biógrafo, Guilherme Fiúza, passou a atrair as gargalhadas que antes eram dadas ao falecido membro do Casseta & Planeta.

Fiúza é membro-fundador do Instituto Millenium, junto com Pedro Bial, Rodrigo Constantino, Gustavo Franco e companhia.

Gustavo Franco, com sua pinta de falso nerd (a turma do "cervejão-ão-ão" iria adorar), é uma espécie de "padrinho" de Guilherme Fiúza.

O valente Fiúza foi namorado da socialite Narcisa Tamborindeguy, que foi mulher de um empresário do grupo Gerdau, Caco Gerdau Johannpeter.

Não por acaso, o grupo Gerdau patrocina o Instituto Millenium.

Guilherme Fiúza escreveu um texto na sua coluna da revista Época em que lançou uma tese debiloide.

A de que o New York Times é um jornal patrocinado pelo PT.

Nossa, que imaginação possuem os reaças da nossa mídia, que põem seus cérebros a serviço de seus umbigos!

Imagine, um jornal bastante conhecido nos…

OS DESLIZES DE RAIMUNDO FAGNER

Raimundo Fagner acabou sendo tragado pela tsunami comercial da grife Sullivan & Massadas.

E virou um dos nomes mais conservadores da música brasileira.

Deixou para trás o grande cantor cearense que chegou a fazer dueto com a digníssima e saudosa Mercedes Sosa.

Fez recentemente uma música em homenagem ao juiz midiático Sérgio Moro, cuja atuação tendenciosa e parcial deixa os mais renomados juristas brasileiros de cabelos em pé.

Fagner virou, como lembra o Diário do Centro do Mundo, o "Lobão da MPB".

Fagner e Lobão haviam sido artistas admiráveis e, realmente, possuem talento para fazer boas melodias e lançar boas obras.

Mas estão queimados pelo reacionarismo um tanto oportunista e cego.

E irresponsavelmente necrófilo.

Lobão certamente não usou Cazuza, seu antigo BFF, para as passeatas "coxinhas" que pediram a derrubada do governo Dilma Rousseff.

Cazuza - que provavelmente, sem ser petista, teria defendido a permanência de Dilma - foi usado pelos próprios organi…

"DO YOU WANNA DANCE" NÃO FOI UM CLÁSSICO DE JOHNNY RIVERS

BOBBY FREEMAN AUTOR E INTÉRPRETE ORIGINAL DE "DO YOU WANNA DANCE?" LANÇOU O COMPACTO EM 1958.

O Brasil provinciano ainda enche a bola de nomes pouco representativos, só porque eles tiveram mercado mais forte aqui do que nos EUA. E, entre tantas coisas que acontecem no chamado "pop adulto", tão risíveis quanto o de qualquer popinho adolescente, há uma que se relaciona à famosa canção "Do You Wanna Dance?".

A música é conhecida pelos brasileiros pela gravação do cantor Johnny Rivers, um ídolo superestimado no país, mas que na verdade corresponde a uma segunda e ainda menos expressiva geração de ídolos comportadinhos dos EUA, cuja primeira geração foi representada por Pat Boone e Bobby Darin.

Só que a gravação de Johnny Rivers, que está no imaginário saudosista de muitos brasileiros, nem sequer é de autoria do (aqui) famoso cantor, e nem sua gravação é a mais significativa. Portanto, nada desse papo de "À meia-luz, ao som de Johnny Rivers", da canç…

O PÉSSIMO EXEMPLO DE LETÍCIA SABATELLA

Dias atrás, a atriz Letícia Sabatella cometeu uma lamentável gafe que somente é "bom exemplo" para a "galera tudo de bom" (que na verdade é tudo de ruim) que povoa as mídias sociais, desde os golpistas de boate que se escondiam na comunidade "Eu Odeio Acordar Cedo" no Orkut.

Em estadia em Brasília para a temporada local da peça Trágica.3, Letícia foi se divertir com amigos na boate Taypa, na Zona Sul da cidade, e exagerou nas doses de vodca que bebeu. De tão animada, ela se embriagou tanto que ficou deitada no chão, na saída da boate, sem poder se levantar. Teve que ser ajudada por uma amiga para ficar em pé.


É o que a dita "galera tudo de bom" entende como "aventura irada" ou "maó curtição, brou". Letícia bebeu até cair, se animou na badalação e, com a cara cheia e a mente zonza, a gata caiu no chão e teve que ser ajudada para levantar.

Se ela se recompõe no dia seguinte (o que, com certeza, ocorreu), a "galera tudo de…

SODA STEREO E A PRECARIEDADE DA CULTURA ROCK NO BRASIL

SODA STEREO, EM 1984 - CHARLY ALBERTI (E), ZETA BOSIO E GUSTAVO CERATI.

A banda Soda Stereo, que marcou a história do rock argentino e era liderada pelo guitarrista Gustavo Cerati, falecido em 2014 após quatro anos em coma, tem uma boa lição para dar aos brasileiros.

O Soda Stereo teve uma trajetória ímpar nos anos 1980 e 1990 e era dotado de profunda bagagem de informações musicais.

O grupo foi do ska ao shoegazing - tendência do rock alternativo surgida na Inglaterra e subestimada pelos brasileiros - em composições bastante consistentes e vibrantes, sobretudo vindas do talento ágil e criador de Gustavo.

O Soda Stereo surpreende os brasileiros não porque as bandas contemporâneas careciam de informação musical.

Até tínhamos: Barão Vermelho, Titãs, Paralamas do Sucesso, Legião Urbana e mesmo Kid Abelha possuem uma boa bagagem musical.

Mas, entre nós, a banda que mais foi longe em bagagens musicais foi Legião Urbana, por garimpar mais em tendências alternativas, mas as demais fizeram su…

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

TV LINHAÇA - A MPB SEGUNDO O DOMINGÃO DO FAUSTÃO

Reduto da música popularesca, o Domingão do Faustão trata a Música Popular Brasileira autêntica, assim como outra manifestação cultural de qualidade, como se fosse algo excepcional, como se nossa cultura normalmente não tivesse valor e tudo que tiver relevância artístico-cultural é visto como algo alheio à realidade dos brasileiros.

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

TV LINHAÇA - PSDB ROMPE COM PAULO GUEDES, MAS NÃO COM ULTRALIBERALISMO

Reagindo a uma crítica do ministro da Economia do governo Jair Bolsonaro, Paulo Guedes, o PSDB, através de carta aberta divulgada pelo presidente do partido, Bruno Araújo, declarou rompimento do apoio ao tecnocrata, mas continua defendendo valores próprios do ultraliberalismo.

TV LINHAÇA - O BOLSONARISMO DE PAULA TOLLER

Paula Toller se soma a uma galeria de pessoas que apoiam ou potencialmente apoiariam (no caso de personalidades do passado) a campanha de Jair Bolsonaro em 2018. A revelação de seu processo contra o uso de "Pintura Íntima" - composta com o ex-namorado Leoni, hoje progressista - repercutiu nas redes sociais, com muitos internautas chocados ao saber que a bela cantora é bolsomínion.