Pular para o conteúdo principal

PARA APROVAÇÃO DA PEC QUE CORTA GASTOS, VALE GASTAR DINHEIRO

FOTO TIRADA POR GISELE ARTHUR.

A PEC do Teto foi aprovada pelo Senado em primeiro turno e ainda haverá mais uma votação.

Seus partidários continuam insistindo que a população está desinformada a respeito do assunto.

Com argumentação confusa, pregam que Educação e Saúde terão seu orçamento preservado.

Insistem em dizer que os dois setores já tiveram crescimento de verbas para este ano.

Tentam convencer as pessoas da falsa ideia de que os investimentos serão mantidos num patamar ideal, que não haverá corte de verbas ou gastos, mas apenas gastos "dentro do arrecadado".

Conseguem convencer apenas os parlamentares a aprovarem a temerosa medida.

Mas não convencem a população.

E agora até os direitistas estão impacientes com o governo Michel Temer.

Pelo jeito, Marcelo Calero abriu a Caixa de Pandora ao deixar o Ministério da Cultura.

De repente, o governo Temer passou a ser inundado por uma profunda crise que pode tirá-lo do poder.

Fui com meu pai ao banco e as pessoas na fila reclamando contra a PEC do Teto, que julgam ser um projeto para favorecer os mesmos políticos de sempre.

Mas o viés conservador continua. Querem que o Banco do Brasil seja privatizado.

Pensam que bancos privados funcionam melhor. Se esquecem do caso HSBC.

Começa a surgir um descontentamento popular e mesmo aqueles que se indignaram contra Dilma Rousseff agora não aguentam mais o governo Temer.

Até o Alexandre Frota considerou a direita "frouxa" e, usando de ironia, disse que se "juntaria aos vândalos de Brasília" que protestavam contra a "peque". Disse que "a esquerda (pelo menos) sabe agir".

Só por ironia, mesmo. Afinal, esquerdista Frota nunca foi.

Nem para abocanhar verbas da PEC e nem sob o apoio subliminar, 15 anos atrás, de uma integrante da Fundação Perseu Abramo que, em ato falho, apoiou as "proibidas" do "funk" em detrimento das profissionais de enfermagem.

Frota, propagandista da Escola Sem Partido, empresariou algumas precursoras das "empoderadas" mulheres-objetos do "funk".

Até o portal G1, da Globo, admite que a recessão continua.

De repente, as mesmas pessoas felizes e esperançosas com Temer e sua equipe de notáveis corruptos, que viam no Henrique Meirelles a encarnação do Papai Noel, agora estão indignadas.

Mas a situação está muito mais confusa do que antes.

Afinal, ninguém está aí para defender, ainda, um governo progressista.

O Brasil continua à deriva e o que se vê é apenas uma indignação aparentemente voltada para todos os lados.

Mas ela é vinda de gente que, em boa parte, ainda clama por soluções autoritárias no âmbito político ou restritivas no âmbito econômico.

Há também a votação do pacote anticorrupção que derrubou alguns itens como a criminalização do enriquecimento ilícito.

Isso causou frustração tanto nos burocratas Power Point do Ministério Público quanto causou apreensão nas esquerdas.

Está tudo confuso, caótico, uma desordem.

E ainda tem o coquetel no Congresso Nacional por causa da PEC do Teto.

Fazem jantares, festas e tudo o mais para pedir a aprovação da "peque".

Gasta-se dinheiro, vejam só, para pedir a aprovação de um controle de gastos.

A foto acima "viralizou" na Internet e mostrou a situação vexaminosa do Legislativo.

Diante disso, o juiz Sérgio Moro vai tirar férias nos EUA.

Daqui a pouco, o Legislativo também vai tirar férias. Vai deixar a saída de Temer para depois.

O Judiciário e o Ministério Público também. Dezembro é um mês morto.

Não há como intensificar os trabalhos, com apenas três semanas pensando no Natal.

Com isso, o "Fora Temer" poderá ocorrer, mas será um fiasco.

Já se fala na volta de um "guru" tucano para a Presidência da República.

E aí, haja dinheiro da privataria voando aos montes para os paraísos fiscais da tucanada.

E isso com os setores públicos se quebrando por causa da PEC dos Gastos Públicos.

O Brasil continua à deriva.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…