Pular para o conteúdo principal

A ARROGÂNCIA E A MANIA DE GASTAR DINHEIRO DE MICHEL TEMER


Michel Temer mostra seu estilo. E não é dos melhores.

Finge que é um valentão político enquanto está com os aliados. Diante da mídia, tanta ser o "líder comprometido com o social".

Já quando vê pessoas protestando e se preparando para vaiá-lo, foge de medo. E, nas reuniões de cúpula no exterior, é posto para escanteio nas fotos.

Dava até para cortar a foto das autoridades do G-20 de forma que excluísse Michel Temer, que ainda foi mencionado na lista somente pelo vago nome de "líder brasileiro".

Temer fez um discurso num seminário sobre infraestrutura, promovido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), que apoia o governo temeroso.

Diante de amigos plutocratas, Temer pôde fazer seu teatrinho triunfante.

Criticou as ocupações nas escolas e ridicularizou os estudantes, dizendo que eles "não entendem" o que é a PEC do Teto.

Com sua habitual arrogância, Temer chamou as críticas à proposta de emenda constitucional de "ladainha".

Ele disse que a hoje PEC 55, antes PEC 241, já vem com "recursos aumentados" para a Educação e a Saúde.

Ele tenta fazer convencer que a PEC do Teto, a Proposta de Estrangulamento Coletivo na vida dos brasileiros, promoverá aumento de renda e de emprego.

É como se dissesse a uma pessoa que se ela se enforcar irá respirar melhor.

Temer disse que "reconhece a importância" dos projetos sociais, como Bolsa Família e Minha Casa, Minha Vida.

Mas, na surdina, cortou 1,1 milhão de benefícios e desfez o cadastro de cerca de 5 milhões de pessoas.

Enquanto fala em "racionalizar" os gastos, torrou dinheiro para uma festa chique no Palácio do Planalto.

Há dois dias, Temer organizou a festa da Ordem do Mérito Cultural, despejando R$ 600 mil para uma festa chique, com famosos e autoridades.

Sob o tema "samba", financiou uma empresa ironicamente denominada Treco Produções com nada menos que R$ 596 mil. Incluiu da direção do espetáculo a apresentações musicais.

Há ainda o dinheiro para os comes e bebes, os cachês de famosos, e outros detalhes. Afinal é um evento chique, apesar de usar o samba.

Um dos cantores convidados, Neguinho da Beija Flor, é sem dúvida um grandioso talento, mas teve a infelicidade de, no auge da indignação anti-PT, cantar uma música chamada "Samba do Triplex", sobre um apartamento no Guarujá atribuído a Lula mas que ele havia desistido de adquirir.

E teve Fafá de Belém, que havia apoiado Aécio Neves em 2014, e recebeu R$ 15 mil.

O presidente que diz que se deve cortar gastos públicos para conter a recessão despeja montes de dinheiro quando a causa é sempre da plutocracia.

Vide as generosas "gorjetas" que manda para a grande mídia patronal, que vive nadando em dinheiro.

Os brasileiros vão ter que cortar gastos, praticamente vivendo na fome, na doença, na desnutrição, na ignorância e no tédio.

Longe deles, os ricos acumulam tanto dinheiro que não sabem mais o que usar com ele.

As injustiças sociais se agravaram desde que Michel Temer tomou o poder. E a classe média brasileira ainda fica feliz com esses tempos sombrios.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…