Pular para o conteúdo principal

PANELEIROS FAZEM EVENTO SURPRESA COMBINADO NAS REDES SOCIAIS


Um panelaço ocorreu há pouco tempo em várias partes do país.

Foi um panelaço surpresa, às vezes com vuvuzelas e até batidas de pés no chão.

Quem não frequentou as mídias sociais e não foi para comunidades como Movimento Brasil Livre estranhou a repentina manifestação nas residências.

Só mais tarde se soube que o protesto era contra o pacote anticorrupção.

A manifestação foi dos tietes da Operação Lava Jato e seus juízes e procuradores.

Eles estavam indignados com o desfecho dado no Congresso Nacional, que alterou o projeto original trazido pelo Ministério Público Federal.

O projeto aprovado criminaliza juízes e promotores em práticas de abuso de poder.

Neste caso, juízes e promotores podem, se for o caso, indenizar quem for prejudicado por suas ações.

Muita gente estranhou o panelaço, tentando ver as páginas da Internet para verificar.

Mas as notícias só vieram depois.

O protesto foi a favor dos "heróis" da Lava Jato, em especial Sérgio Moro e o "rei do Power Point", Deltan Dallagnol.

A punição aos magistrados e promotores foi conhecida como "lei da intimidação".

Os juízes e procuradores da Lava Jato ameaçam deixar seus cargos caso a lei seja sancionada.

A votação da lei anticorrupção foi feita na Câmara dos Deputados e o texto aprovado segue para ser votada no Senado Federal.

Algumas outras mudanças foram feitas.

A anistia ao caixa dois não foi incluída no texto aprovado.

Das 10 medidas propostas, foram mantidas apenas poucas.

Entre elas, o aumento de rigor na punição de esquemas de corrupção, sendo crime hediondo quando envolve a partir do valor equivalente a 10 mil salários mínimos.

Também foram mantidas a transparência de tribunais na divulgação dos dados processuais e a limitação de recursos para protelação dos processos.

Um item derrubado foi a responsabilização de partidos e dirigentes partidários por atos cometidos por políticos ligados às siglas.

Mas os protestos movidos pelo barulho das panelas foi em solidariedade aos juízes e promotores da Lava Jato, os "caçadores de petistas" que empolgavam a "nação coxinha" do Brasil.

Sobretudo Sérgio Moro, que faz seus últimos trabalhos deste ano para depois tirar férias nos EUA.

Ele ainda vai entrevistar Lula, que foi considerado réu pela Lava Jato.

Isso ainda vai dar o que falar. Mas, se a plutocracia ficar em pé, mesmo depois da saída de Temer, as panelas voltarão a protestar ou se limitarão apenas ao hábito servil de cozinhar alimentos?

A segunda opção é a mais provável. Ainda que só tenha comida farta para as elites mais abastadas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…