Pular para o conteúdo principal

PMDB QUER RETOMAR SIGLA DA DITADURA MILITAR. PAUSA PARA RISADAS!


Depois da queda do "ministro de secretaria" Geddel Vieira Lima, por causa das denúncias de outro ex-ministro, o da Cultura Marcelo Calero, ameaçando o governo temeroso, mais um fato na antologia tragicômica do PMDB se soma ao seu histórico.

A Convenção Nacional do PMDB, realizada em Porto Alegre, contou com alguns "caciques" do partido, como o líder do governo Temer no Senado Federal, Romero Jucá, e o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha.

Jucá foi o mais destacado e lançou uma proposta de mudança de sigla do partido.

Seguindo novas legendas partidárias que já não tem o P no nome, como Democratas (DEM) e Rede Sustentabilidade (REDE), sugere-se a retomada da antiga sigla MDB, tirando o P de "partido".

A sigla corresponde ao antigo Movimento Democrático Brasileiro, partido que dividia o bipartidarismo com a reacionária Aliança Renovadora Nacional (ARENA), durante boa parte da ditadura militar.

Jucá usou uma argumentação pomposa para a sugestão, que será debatida por seus membros:

"Queremos deixar de ser partido e ser um movimento. Ou seja, algo mais forte, algo mais permanente, com uma ação constante".

Pausa para risadas.

Jucá acrescentou: "Voltar ser MDB resgata uma tradição, uma história, uma origem, que é muito importante para o povo brasileiro".

Mais risadas.

"Se o MDB antigo fez a redemocratização do país, o MDB novo pode fazer a reconstrução social e econômica do país", finalizou o senador.

Cuidado para ninguém cair da cadeira de tanto rir.

É o mesmo grupo político que veio com apetite para destruir o país, com um governo golpista que tomou o poder à força para impor medidas antipopulares.

Além disso, a convenção ocorreu depois do escândalo causado pela informação de que o ex-ministro Marcelo Calero, também do PMDB, gravou conversas com Temer, Geddel e Padilha.

Nada como um dia após o outro.

O PMDB realiza sua convenção quando Temer se encontra numa situação muito delicada.

Jucá, em entrevista coletiva, tentou minimizar a crise.

O senador disse apenas que o presidente procurava "soluções jurídicas para o caso", reduzindo o problema a um conflito entre o IPHAN nacional, que proibiu a construção do edifício La Vue, na Ladeira da Barra, e o IPHAN baiano, que o autorizou com base em estudo sem valor legal.

Mas um caso como este envolvendo especulação imobiliária caiu como uma bomba que até a mídia venal anda meio confusa nesse conflito todo.

Chegam a admitir decadência do governo Temer, já está havendo brigas dentro da plutocracia política e midiática.

A Veja botou na capa a crise do governo Temer. Nas manchetes secundárias, denúncias sobre acusações de corrupção contra José Serra e Geraldo Alckmin.

Mas a postagem aqui é do PMDB. Falaremos do PSDB em outro texto.

E justamente o PMDB, apodrecido na política nacional, deixando o Estado do Rio de Janeiro em falência, que quer se reciclar em uma nostalgia política.

É, mas em vez de ter figuras como Ulysses Guimarães, um dos líderes da Constituinte que criou a Carta Magna em 1988, temos um Michel Temer querendo rasgá-la.

Quer impor medidas que ameaçam direitos sociais diversos, embora o temeroso presidente tente desmentir tais ameaças.

Mas tudo está claro. PEC dos Gastos Públicos, reforma trabalhista e reforma previdenciária vão mesmo cortar direitos do povo brasileiro.

Muito diferente do MDB que poderia não ter sido exatamente progressista, mas tinha figuras com esse perfil.

O PMDB de hoje envergonharia o doutor Ulysses.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…