Pular para o conteúdo principal

A FARRA FINANCEIRA DE MICHEL TEMER E AS GAFES DE JOSÉ SERRA


A população brasileira deveria prestar atenção na gravidade do cenário político de hoje.

Um governo presidencial com equipe cheia de corruptos que conquistou o poder através da exploração jurídica de um boato sem fundamento.

Um presidente sem carisma, sem votos, igualmente corrupto e cheio de propostas retrógradas e uma personalidade instável.

Diante dos aliados, é um presidente corajoso que diz governar em favor da sociedade e rebate críticas e acusações com energia. Diante dos opositores, é um covarde com medo de vaias.

Estamos falando de Michel Temer, que não consegue enganar com seus atributos "elegantes" de advogado experiente e político supostamente moderado.

Seu governo é desastroso e não há relativos otimismos ou esperanças que revertam essa constatação.

Até porque a PEC do Teto está próxima de ser sancionada e o Brasil se sentirá como um enforcado querendo respirar.

A TV aberta, que infelizmente aumenta em audiência numa época de emburrecimento televisionado, dá um falso otimismo com as inverdades que fala sobre a "peque".

Os brasileiros deveriam deixar de ver TV e ir passear mais nas ruas, sobretudo nos sábados à tarde e entre as 18 e 20 horas.

Até mesmo cidades que não têm horário de verão, como Salvador, deveriam ter mais gente nas ruas, no calçadão da orla, fazendo luau na praia, conversando e olhando o mar, jogando vôlei mesmo sob o céu noturno.

Daria uma excelente economia de dinheiro, o que facilitaria diante do terremoto financeiro da PEC do Teto.

A curiosidade do Jornal Nacional perdido não é lá grande coisa, porque lá anda se veiculando muita mentira.

O Jornal Nacional é tão ficcional quanto uma novela da Globo.

Não vai noticiar, por exemplo, muitas das gafes de Michel Temer e seus "notáveis".

Diante do cenário golpista que este governo se formou, com todas as tentativas da grande mídia de desmentir esse motivo, uma declaração de José Serra tornou-se risível.

"Nas democracias, as decisões do eleitorado se respeitam e se cumprem", disse o ministro.

Podia ser uma frase normal, não fosse um detalhe.

Serra é um dos participantes e um dos maiores interessados do golpe político que se consolidou no poder ultimamente.

Esse golpe político, que se gaba de ter se completado sob "plena normalidade institucional" e "respeito à Constituição", jogou fora os 54,5 milhões de votos dados a Dilma Rousseff em 2014.

Ou seja, as decisões do eleitorado foram desrespeitadas e cumpridas pela metade. com Dilma sendo expulsa do poder antes de completar dois anos de governo.

E enquanto Michel Temer propõe limites aos gastos públicos, ele torra dinheiro com festas e celebrações e premia a mídia venal com generosas gorjetas em quantidades faraônicas.

O Brasil está inseguro, e não será o Jornal Nacional a melhor bússola para os tempos em que vivemos.

Pelo contrário, o Jornal Nacional é apenas uma porta que esconde o acesso ao precipício.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…