Pular para o conteúdo principal

MICHEL TEMER É GASTADOR? PERGUNTE AOS IRMÃOS MARINHO!!


Uma mentira descarada foi dita pelo presidente Michel Temer.

Ele tentou dizer que não é um presidente gastador de dinheiro, embora também admitisse que "gostaria de gastar".

"Qual o governante que não gosta de gastar? Eu gostaria, como presidente da República, de ter a burra cheia e distribuir (...). Ministro (Henrique) Meirelles (da Fazenda) não gostaria muito, mas eu gostaria", disse Temer, de um jeito solenemente jocoso.

"Eu gostaria de poder dizer: 'Olha, agora tem o programa tal, tal e tal. Mas isso não é possível. Isso se faz com a chamada responsabilidade fiscal", finalizou o temeroso presidente.

O discurso foi realizado durante um evento sobre governança pública realizado pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

Entre os presentes, estavam o citado ministro Meirelles, o ministro da Educação José Mendonça Filho, o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn e o presidente do Senado, Renan Calheiros, entre outros.

Temer estava comentando sobre o seu "maior projeto", a catastrófica PEC do Teto, formalmente chamada de PEC dos Gastos Públicos.

Hoje houve um protesto muito grande de brasileiros em Brasília, incluindo confronto com a polícia.

A pauta dos protestos, além da habitual - PEC do Teto, reforma do ensino médio, Escola Sem Partido - , inclui com firmeza maior do que antes o impeachment de Michel Temer por crime de responsabilidade.

O PSOL já encaminhou pedido de impeachment para o Congresso Nacional.

O motivo é que Temer foi cúmplice nas pressões do ex-ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, para o ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero, autorizar a construção de um prédio embargado pelo IPHAN nacional.

Temer teria aconselhado Calero a aceitar o pedido de Geddel, demonstrando clara identificação com projetos de especulação imobiliária que atendem a interesses políticos particulares.

Isso gerou uma crise profunda no governo Temer.

O temeroso presidente tenta abafar. E segue firme com seu teatrinho.

Diante de amigos plutocratas, Temer é o "líder" ao mesmo tempo "austero e generoso com o povo brasileiro".

Ele jura que a PEC do Teto não é corte de gastos, mas uma "disciplina" de verbas públicas, em que "nunca se deve gastar acima do que arrecada".

Mas Temer é um grande gastador.

Ele nunca fala que "não pode gastar" com festas, verbas para a mídia solidária, para o Judiciário e Ministério Público aliados, para sua base de apoio no Legislativo.

Aí percebemos que Michel Temer disse uma grande mentira.

Ele até foi sincero no seu desejo de querer gastar dinheiro se fosse possível.

Mas mentiu quando omitiu seu lado realmente gastador.

Ele quer cortar gastos, limitar investimentos etc, quando o destino é sempre o setor público.

Quando é para agradar os ricos aliados seus, ele derrama dinheiro sem controle.

O que ele gastou em festas, jantares, cerimônias e viagens de avião, além de patrocínio à mídia venal (sobretudo as Organizações Globo, dos irmãos Marinho) e o aumento do salário dos marajás a seu serviço, poderia ser muito bem cortado.

Sobraria para investir folgado na Educação, Saúde e Assistência Social.

Mas como Temer governa para os ricos, sendo capaz de atender ao interesse particular de um de seus braços direitos, então não interesse em investir nos mais necessitados.

Daí o grande protesto popular. Daí o pedido de impeachment.

O Congresso Nacional e o Judiciário tentarão empurrar o impeachment de Temer com a barriga, para só aceitar no ano que vem.

Farão isso para garantir a eleição indireta votada pelo Legislativo.

Fácil será os deputados e senadores elegerem, por via indireta, um tucano que atenda aos interesses da plutocracia legislativa.

Difícil será eles encararem a pressão do povo nas ruas. Os protestos só estão começando.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…